A Secretaria de Defesa Civil e Ações Voluntárias e a Polícia Militar realizam uma nova ação de conscientização sobre os riscos e os problemas causados pelas queimadas na próxima quarta-feira (12.09), às 10h, na Praça de Corrêas. Será a terceira etapa da Blitz Verde, ação que distribuiu mais de 2 mil cartilhas de prevenção a queimadas no Centro e em Itaipava. Somente no último fim de semana, três incêndios florestais consumiram mais de 2 mil metros quadrados de mata – o equivalente a mais de 2 campos de futebol – em Corrêas, Roseiral e Cascatinha. A ação faz parte do Plano Inverno de Petrópolis 2018, que busca enfrentar as ameaças da estação com ações em dois eixos: operacional e humanitário.

Neste ano, desde janeiro, são mais de 50 casos registrados pelo Corpo de Bombeiros em regiões como Araras, Secretario, Itaipava, Nogueira e Posse. Desde o início do período de estiagem, em julho, são mais de 180 hectares destruídos pelo fogo. A ideia dos órgãos é envolver a população para reduzir o número de casos na cidade. Segundo o secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias, coronel Paulo Renato Vaz, o trabalho de prevenção é fundamental neste processo.

A região de Corrêas é considerada muito sensível para a questão dos incêndios florestais. Além de ser uma área com muita vegetação, é também um centro urbano. Dessa forma, nos preocupa, além dos danos ambientais, os danos materiais e humanos. Existem muitas residências e comércios próximos de áreas verdes

“Corrêas é um ponto estratégico para o nosso trabalho que busca a redução do número de ocorrências. Além de ser uma área com muita vegetação, também é um centro urbano. Dessa forma, nos preocupa, além dos danos ambientais, os danos materiais e humanos. Existem muitas residências e comércios próximos de áreas verdes”, afirma Paulo Renato, lembrando que naquela região existe a sede do Parque Nacional da Serra dos Órgãos (Parnaso), no Bonfim, além de outras áreas suscetíveis aos incêndios florestais.

“O período de estiagem vai até meados de novembro, o que favorece o surgimento e a propagação dos incêndios florestais neste período. Não podemos perder o foco e precisamos da ajuda da população como nossa grande aliada contra as queimadas na cidade”, explica o secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias.

Fazer queimadas é crime previsto em lei e pode levar a detenção de seis meses a um ano, além da aplicação de multa. Outro ponto importante será a orientação dos moradores sobre os problemas causados pela soltura de balões, que causam danos ao meio ambiente e a saúde. A presença da Policia Militar, neste aspecto, é fundamental para o sucesso da ação.

“Com a presença da polícia, vamos reforçar que as práticas são crimes. Desde o ano passado realizamos uma série de atividades, como treinamentos em conjunto com órgãos ambientais e a criação de uma metodologia pioneira no país com relação às ameaças de inverno. Seguimos trabalhando de forma antecipada e organizada para diminuir as ocorrências”, completa Paulo Renato.

O trabalho preventivo da Defesa Civil também estabelece ações de resposta para agilizar o atendimento às ocorrências e minimizar os efeitos das queimadas. O Plano Inverno de Petrópolis 2018, com suas respectivas matrizes de atividades e responsabilidades, está disponível para download no site da prefeitura (www.petropolis.rj.gov.br).

Drone no auxílio aos incêndios florestais

Outra ferramenta importante na prevenção a incêndios florestais é o drone, que foi utilizado pela Defesa Civil em parceria com órgãos ambientais no mapeamento e monitoramento de áreas de preservação. Mesmo após o término deste trabalho, o equipamento permanece disponível para os órgãos ambientais e para o Corpo de Bombeiros em caso de queimadas.

“Seguimos à disposição, não apenas com o drone, mas também com a nossa brigada de combate aos incêndios florestais. Esperamos conseguir bons resultados com as ações em conjunto”, completa Paulo Renato.