Foto: Divulgação

Defensoria do Rio liberta homem submetido a constrangimento ilegal

O reconhecimento fotográfico fez com que, em 3 de fevereiro, a Polícia Civil decidisse por indiciar e pedir a prisão preventiva do suspeito.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Acusado de assaltar nove pessoas em sequência, no intervalo de meia hora, mas reconhecido por apenas uma delas — a única que se apresentou na delegacia e registrou boletim de ocorrência — exclusivamente a partir de álbum fotográfico para identificação de suspeitos, o homem, que é negro, teve a prisão preventiva decretada e cumprida. No último dia 26, porém, por unanimidade, a Primeira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça acolheu habeas corpus ajuizado pela Defensoria Pública do Rio, determinando a soltura imediata do rapaz, submetido a “constrangimento ilegal” pelo Juízo da 27ª Vara Criminal, na qual corre o processo.

“Por ora, a única [prova] existente – reconhecimento fotográfico firmado por, apenas, uma das vítimas, ao considerar que as demais não foram identificadas – não é suficiente para a manutenção do paciente no cárcere pontuando-se, ainda, que suas características físicas são comuns e que não houve indicação de nenhuma outra que pudesse individualizar o roubador, estando caracterizado o constrangimento ilegal a justificar a revogação da custódia”, destaca o acórdão, que acompanhou o voto da desembargadora relatora, Denise Vaccari Machado Paes.

Em 21 de dezembro de 2020, um motorista de aplicativo atendeu a chamada de cliente recém-cadastrado. Ao chegar ao endereço informado, no bairro do Estácio, no município do Rio, foi rendido por três homens armados, que o fizeram passar para o banco de trás do carro, de onde, na meia hora seguinte, teria testemunhado o grupo assaltar outras oito pessoas, pelas ruas vizinhas.

Nenhuma dessas vítimas registrou boletim de ocorrência. O único relato do caso foi dado pelo mesmo motorista, que retornou à delegacia em 29 de dezembro, mais de uma semana após o ocorrido, para o reconhecimento dos três assaltantes com base em álbum de fotografias apresentado pelos policiais.

O reconhecimento fotográfico fez com que, em 3 de fevereiro, a Polícia Civil decidisse por indiciar e pedir a prisão preventiva do suspeito. Somente meses depois, em 31 de agosto, o Juízo da 27ª Vara Criminal tomou conhecimento da denúncia do Ministério Público e decretou a preventiva do acusado; em 9 de setembro, a ordem de prisão foi cumprida.  

No pedido de habeas corpus, a defensora pública Clarisse Pitta de Noronha, que atua junto à 27ª Vara Criminal, ressaltou a “ausência de contemporaneidade da medida restritiva diante do lapso temporal – quase oito meses – entre a data da suposta prática delitiva e a decisão judicial”.

A Defensoria também enfatizou que, entre nove pretensas vítimas, apenas uma se fizera conhecer:

“Note-se que ao paciente é imputada a prática de nove delitos de roubo majorado pelo concurso de agentes, emprego de arma de fogo e privação de liberdade da vítima. Porém oito dos sujeitos passivos não foram identificados, conforme expressamente narrado na inicial: (…) Nas mesmas circunstâncias de tempo e local, ou seja, por diversas ruas do bairro Estácio, os acusados subtraíram com empregos de arma de fogo dois aparelhos celulares de um casal não identificado que caminhava em calçada; mochilas, carteiras e celulares pertencentes a outros três transeuntes não identificados e, depois, pertences de mais três pessoas também não identificadas”.

Em outubro de 2020, a Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) estabeleceu diretrizes para que o reconhecimento de pessoas possa ser considerado válido.  O reconhecimento do suspeito por simples exibição de fotografia deve ser entendido como etapa prévia a eventual reconhecimento pessoal e, portanto, não é prova em ação penal. A identificação baseada exclusivamente em imagem fotográfica pode ser considerada constrangimento ilegal e causa para nulidade de decretação de prisão preventiva, o que se aplica ao caso do homem.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.