De minguante à nova, cheia de esperança, Lua e sua mudança de humor estimula reflexão sobre incertezas em livro infantil

O Jardim da Lua encoraja aprendizagem sobre reconhecer-se e valoriza a importância de cada um no mundo.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

As obras de Monteiro Lobato, Alexandre Dumas, Irmãos Grimm, Ruth Rocha, Lygia Bojunga, Ana Maria Machado, H. C. Andersen são imortais não exclusivamente por terem agradado ao público infantojuvenil. São para sempre porque trabalharam temas clássicos universais e atemporais, afetando também os adultos. O Jardim da Lua (Editora Tigrito), de Wiana Kell, e ilustrações da premiada Ana Matsusaki traz reflexão e encantamento e reforça a importância de nos conhecermos durante a trajetória individual de vida, com mudanças o tempo todo.


No livro, a Lua protagoniza o desejo de querer mudar assim que percebe que não vê mais tanta graça na sua própria vida e em quem está ao seu redor. Alguém já viu Lua, com aquele brilho todo, querer virar flor? E não é que esta conseguiu, depois de um desejo bem feito, ser uma “lua-flor feliz”. Sim, uma “flor-lua completa no jardim”.
Mas isso só até que a imensidão escura, as estrelas que quase não brilhavam mais fizeram vazio no seu coração de flor. Falta de olhar o jardim lá de cima, de ver a Terra pequena e em cor. Queria ainda de volta a companhia das estrelas e dos planetas. Mas será que dava para voltar a ser Lua e ocupar outro jardim, feito de estrelas, galáxias, planetas e rastros de poeira cósmica?


A resposta da autora Wiana Kell é sim, acompanhado de ilustrações que dão toque especial à obra com cores fortes, exuberantes e traços característicos e intuitivos de Ana Matsusaki, ao relacionar, por exemplo, as decisões que a Lua toma ao longo da história com as suas fases. “Por isso a tristeza é representada pela Lua Minguante e a alegria pela Nova”, exemplica a ilustradora, cujo trabalho foi selecionado para integrar o 10º Catálogo Iberoamérica Ilustra, uma reunião dos principais nomes da ilustração da região e para participar da Bienal de Ilustração da Bratslava (2021).


Sobre a autora:
Wiana Kell quando criança tinha uma agenda onde escrevia seus poemas sobre a natureza e pessoas que observava. Paraense e cearense ao mesmo tempo, reside em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, com as filhas e o marido. Na sua casa tem um jardim pequenino com bougainvíllea, pé de jasmim e flor do deserto. Nele vive uma tartaruga sem nome e, de vez em quando, aparece um gato danado espantando as maritacas que por ali passeiam. Nesse mesmo jardim, nas noites de luar, já viu muita estrela cadente vir buscar seus desejos. Seu primeiro livro foi Pepa & Keka: quem viu rimas por aí?

Sobre a ilustradora:
Ana Matsusaki nasceu em São Paulo e desde muito cedo se interessou por tudo o que envolvesse palavra e imagem. Depois de se formar em design gráfico passou por alguns trabalhos até decidir abrir seu próprio estúdio. A artista já ilustrou cerca de 20 livros e colaborou com as principais revistas e editoras do país. Em 2020 lançou seu primeiro livro como autora, A colecionadora de cabeças (publicado pela Editora do Brasil).

Serviço:
O Jardim da Lua
Páginas: 32
Formato: 17×23cm (capa dura)
Preço: 50,00
E-Book: R$ 20,00

A Tigrito
A Editora Tigrito é carioca e especializada em livros para infância, ilustrados e autores nacionais. Foi criada em dezembro de 2018 pela ilustradora Fran Junqueira e está sempre em busca de histórias surpreendentes que tragam diferentes temáticas, estilos e estéticas para as crianças. O catálogo tem no momento 19 títulos de autores iniciantes e também premiados como Ionit Zilberman, Ana Matsusaki, Irena Freitas e Odilon Moraes.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.