A aversão ao risco segue impactando os mercados emergentes. Após a crise cambial da Turquia, agora é a vez da Argentina. Na última semana, o dólar rompeu a marca de 42 pesos argentinos. Como medida de contenção, o Banco Central Argentino elevou a taxa básica de juros para 60%.

A inflação da Argentina ultrapassa 30% e as contas públicas são alvo de críticas por parte de analistas. Estima-se que a dívida pública chegue a 70% do PIB. Nesta condição caótica, o governo buscou auxílio do Fundo Monetário Internacional (FMI) e acertou pacote de auxílio sem precedentes na história, U$50 bilhões.

De acordo com o CEO da WM Manhattan, mesa proprietária que opera no mercado de renda variável e ensina traders atuarem na bolsa de valores, Pedro Henrique Rabelo, o anúncio da elevação da taxa de juros na semana passada gerou críticas por não ser precedida de coletiva de imprensa para conscientizar o mercado acerca das novas medidas.

Por isso, na manhã desta segunda-feira (3/9), o presidente Maurício Macri e o ministro da fazenda Nicolás Dujovne apresentaram em público o plano de combate a crise. Pedro Henrique Rabelo explica que a crise, de acordo com o presidente, veio a partir do aumento da taxa de juros dos EUA e das incertezas geradas pela guerra comercial entre EUA e China.

“O plano de Macri envolve a instituição de impostos de 4 pesos por dólar sobre a exportação de produtos primários. Para o restante dos produtos e serviços, será cobrado imposto de 3 pesos por dólar. Do lado fiscal, o Dujovne anunciou que será cortada metade dos ministérios a fim de zerar o déficit fiscal no ano de 2019. Quando da negociação com o FMI, havia sido estipulada uma meta de déficit fiscal de 1,3% do PIB em 2019”, explica Pedro.

Impactos no Brasil

Pedro Henrique Rabelo alerta que a redução da atividade econômica na Argentina traz reflexos diretos para o Brasil. “Dados do Ministério da Indústria e Comércio Exterior e Serviços mostram que de janeiro a junho de 2018 o Brasil exportou em torno de US$10 bilhões para a Argentina, o que representou uma alta de 2% em relação a 2017. Em julho, no entanto, foram exportados produtos e serviços que equivalem a US$1,15 bilhões, representando uma queda de 24% com o mesmo período de 2017”.

A situação envolvendo Turquia e Argentina servem como alerta para o Brasil. Com uma queda nas projeções de crescimento mundial após os atritos entre EUA e China, o investidor está mais seletivo quanto a investimentos em países emergentes, os exportadores, por exemplo, já relatam que clientes argentinos já suspenderam pedidos, indicando queda nas exportações.

“Com o período eleitoral se aproximando, torna-se necessário que o cidadão cobre dos candidatos uma postura mais clara quanto às contas públicas para que, em 2019, consigamos manter o crescimento retomado em 2017. Até o momento, o que tem mantido o real em uma situação menos ruim perante o dólar são as reservas cambias que superam os US$300 bilhões. Mas elas não segurarão sozinhas a percepção sobre a economia do país, caso seja eleito um candidato avesso às reformas estruturais que o país tanto precisa”, finaliza.