CREI, na Avenida Koeller, tem aulas adiadas por problemas estruturais no prédio

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Na tarde desta quinta-feira, (14/02), a presidente da Comissão de Educação da Câmara Municipal de Petrópolis, vereadora Gilda Beatriz (MDB), executou uma fiscalização no Centro de Referência em Educação Inclusiva João Pedro de Souza Rosa (CREI), na Avenida Koller, onde as aulas foram adiadas pelas condições do prédio.

Segundo a parlamentar, a unidade, que atende crianças com necessidades educacionais especiais, teve o terceiro andar completamente interditado pela Defesa Civil, além de haver outros pontos que oferecem riscos para a segurança.

“Recebi denúncias de pais de alunos alarmados, preocupados com toda a situação. E, mesmo não tendo o conhecimento técnico, pude perceber que há outros pontos muito preocupantes na unidade. Toda esta situação pode comprometer a segurança de cerca de 300 crianças com deficiência, que são atendidas no local. É inaceitável”, afirmou a vereadora.

Em algumas áreas do prédio, o piso está cedendo, em outras, o piso está completamente solto. Faixas de segurança e cones indicam o perigo. O forro do telhado está com problemas estruturais, em condições precárias, com parte do material, da cobertura de madeira, totalmente solto e quebrado. Há infiltração em toda a unidade, além de animais silvestres, como morcegos e gambás, no sótão.

“Em cada lugar do prédio eu observei problemas estruturais. O sucateamento das escolas em nosso Município não pode ser aceito. Até quando vamos ter aulas canceladas em locais de pouquíssima segurança para os alunos? Continuaremos com fiscalizações constantes por todas as unidades de ensino da nossa cidade”, completou Gilda.

Em informações recebidas pela parlamentar, a Prefeitura pretende alugar um espaço na mesma localidade enquanto efetua uma reforma na unidade. Atualmente o gasto com a locação do prédio do CREI João Pedro de Souza Rosa é de 19 mil reais. A preocupação da vereadora Gilda Beatriz são com os gastos municipais, já que um prédio alugado na mesma região tem um valor acima da média municipal, gasto que poderia ter sido evitado pelo Executivo. A parlamentar encaminhou a denúncia ao promotor de justiça, Dr. Celso Aleixo Quintela, da Tutela da Pessoa com Deficiência e Idoso.

O adiamento de aulas por falta de segurança nos prédios é um tema recorrente na cidade. Na última semana, o Liceu Municipal Prefeito Cordolino Ambrósio também teve o início das aulas adiado por problemas estruturais no prédio. Após a denúncia da Comissão de Educação da Câmara dos Vereadores, um retoque emergencial foi feito na unidade. Após uma nova visita parlamentar ao prédio, ainda foram observados problemas.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.