Pexels

Covid-19: quais os riscos de prédios e empresas vazios em meio à pandemia? Sem equipes para fazer a manutenção ou detectar os princípios, os empreendimentos comerciais se tornam locais vulneráveis.   

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Além de todos os transtornos diretos causados pelo Coronavírus, um outro dano colateral pode surgir nos ambientes corporativos: um incêndio. Com a maior parte destes locais vazios, o risco aumenta, já que não há profissionais treinados para identificar princípios de incêndio. Os curtos na rede elétrica estão entre os principais causadores. Sem equipes para fazer a manutenção ou detectar os princípios, os empreendimentos comerciais se tornam locais vulneráveis.   

Segundo o último estudo divulgado pela Abracopel, em 2018 foram 656 incêndios com 74 mortes causados por sobrecarga de energia e posterior curto circuito. Um aumento de 23% em relação ao ano anterior. Em 2010, parte do Instituto Butatan foi comprometido em um incêndio. Nessa ocasião, perdeu-se o maior acervo de cobras do mundo. No momento, o local estava vazio. O fogo foi notado inicialmente por um vigia, que não tinha chaves para o prédio e teve de buscá-las na portaria. O galpão não tinha sistemas anti-incêndio.   

Nestes cenários, manter um bombeiro civil dentro do ambiente corporativo é uma das saídas para evitar tragédia maior. A aposta em prevenção, um setor considerado essencial, é o que move a Sprink, empresa de prevenção e proteção de vida e patrimônio. Para isso, ela se tornou “os olhos e ouvidos” de grandes companhias que estão de portas fechadas em meio à pandemia. 

São mais de 2 mil bombeiros civis em plena atuação distribuídos em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Esse “exército” se reveza para cuidar de grandes empresas. Apesar da diminuição dos riscos de acidentes associados ao fluxo de pessoas, as panes elétricas ainda representam um perigo e pedem cautela. Uma equipe treinada no ambiente comercial, mesmo que vazio, representa segurança ao patrimônio e economia para empresários e lojistas. As rondas e manutenção do espaço serão ainda mais frequentes, garantindo ações efetivas e rápidas caso necessário.     

A maioria dos incêndios (63%) em real state, acontecem fora do horário de movimentação, após o fechamento do mesmo, onde os princípios evoluem para um pequeno/medio incêndio. Grande parte desses incêndios acontecem por causa elétrica. O número de Bombeiros Civis para atender a demanda de um empreendimento é contabilizado através de seu risco e área total construída, e não em cima do número da população fixa/flutuante.  

É necessário uma equipe completa de Bombeiro Civil para manter a rotina de prevenção, inclusive evitar que um princípio de incêndio evolua para um incêndio de maior classificação. Tendo a equipe completa, os Bombeiros em ronda/inspeção estarão cobrindo toda a área do empreendimento, sendo possível a identificação rápida de qualquer sinistro. 

Sobre a Sprink
Fundada nos anos 1970, a Sprink oferece soluções de meio ambiente de curto, médio e longo prazos, incluindo ações com técnicos in loco para contenção de vazamentos e acidentes ambientais e vistorias periódicas a instalações. Entre outros serviços, a empresa dispõe de brigadas de incêndio e bombeiro profissional civil, manutenção preventiva, corretiva e preditiva em sistemas de extintores portáteis, planos de contingência/adequação de sistemas e equipamentos, engenharia de segurança no trabalho e treinamentos variados (formação de bombeiros e brigadistas, abandono/rota de fuga, combate a incêndio, brigadas de incêndio, entre outros).

Crédito da foto: Pexels

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.