Imagem: Facebook

Corpos de tripulantes de avião de Marília Mendonça são sepultados

A cantora Marília foi enterrada ontem (6), no Cemitério Parque Memorial, em Goiânia. O sepultamento foi acompanhado apenas por familiares.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Os corpos do piloto Geraldo Medeiros, de 56 anos e do copiloto Tarcíso Viana, de 37, foram sepultados nesse domingo (7) no Distrito Federal. Os dois estão entre as cinco vítimas do acidente com o avião que levava a cantora Marília Mendonça. A aeronave caiu em Piedade de Caratinga, no Vale do Rio Doce, no oeste de Minas Gerais, na sexta-feira (5). Além da cantora, também morreram no acidente o seu tio e assessor, Abicieli Silveira Dias Filho e o produtor Henrique Ribeiro, além dos dois tripulantes.

Inicialmente, a previsão da família de Geraldo era cremar o corpo e levar as cinzas para Floriano, no Piauí, cidade natal do piloto. Mas, no fim da manhã, os familiares decidiram que o piloto, pai de três filhos, seria enterrado no Cemitério Campo da Esperança, na Asa Sul, em Brasília. A cerimônia foi por volta das 11h30.

O velório do copiloto Tarciso Pessoa Viana também teve início na manhã desse domingo. Ele foi sepultado no Cemitério de Taguatinga, no Distrito Federal, às 11h. Ele deixou dois filhos e a esposa grávida de oito meses.

A cantora Marília foi enterrada ontem (6), no Cemitério Parque Memorial, em Goiânia. O sepultamento foi acompanhado apenas por familiares. Antes, o corpo foi velado no ginásio Goiânia Arena. Durante toda a tarde, fãs e amigos da artista prestaram suas últimas homenagens. 

Avião já foi retirado do local

O avião foi retirado nesse domingo (7) do local da tragédia e será transportado para o aeroporto de Caratinga. A remoção dos destroços da aeronave começou de manhã.

A aeronave, um bimotor, foi puxada por um guindaste e retirada das pedras próximas a uma cachoeira. Na noite de sábado, o aparelho já havia sido retirado da correnteza da cachoeira, onde caíra após colidir com uma linha de transmissão de energia elétrica.

O avião era propriedade da empresa Pec Táxi Aéreo Ltda e estava com o Certificado de Verificação de Aeronavegabilidade (CVA) válido até 1º de julho de 2022. Após o acidente, o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), órgão do Comando da Aeronáutica, foi acionado para investigar a queda do aparelho.

Na tarde de sábado, a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) divulgou um comunicado sobre o acidente. A aeronave colidiu com uma linha de transmissão de energia elétrica. Segundo o informe, a “linha de distribuição atingida pela aeronave prefixo PT-ONJ, no trágico acidente de ontem, está fora da zona de proteção do Aeródromo de Caratinga, nos termos de Portaria específica do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea), do Comando da Aeronáutica Brasileiro”.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.