Corpo de Bombeiros RJ integra campanha “Setembro Amarelo” para prevenção de suicídios

Profissionais da Saúde se engajam no tema e fazem palestras para pacientes
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Setembro é o mês mundial de prevenção do suicídio, chamado também de “Setembro Amarelo”. O assunto já foi um tabu muito maior, mas ainda hoje enfrenta dificuldades na identificação de sinais, oferta e busca por ajuda, muitas vezes, por preconceitos e falta de informação. O Hospital Central Aristarcho Pessoa (HCAP) está engajado em debater este tema e, durante a espera para as consultas, apresenta palestras para seus pacientes. Estão também envolvidos na campanha profissionais da corporação ligados à Saúde Mental, psiquiatras e psicólogos, distribuídos nas unidades de Saúde do Corpo de Bombeiros RJ, que oferecem durante todo o ano atendimento especializado.

Atualmente, no Brasil, 32 pessoas morrem diariamente por suicídio e 17% dos brasileiros já apresentaram, em algum momento, pensamentos de autoextermínio. Nesse cenário de pandemia em que vivemos e seus inevitáveis impactos emocionais demandam de nós um cuidado especial com a nossa saúde mental. Neste contexto, falar sobre a campanha “Setembro Amarelo” torna-se ainda mais relevante.

Centro de Valorização da Vida (CVV) – É importante divulgar o trabalho do CVV, que oferece apoio emocional e prevenção ao suicídio, atendendo de forma voluntária e gratuita, sob total sigilo, todos os dias da semana, 24 horas por dia, por meio do telefone (188), ou pelo e-mail e chat do site: www.cvv.org.br.

Mas como prevenir o suicídio? Muitas vezes, antes de uma atitude tão drástica, as pessoas apresentam sinais que podem indicar um pedido de ajuda e algumas mudanças no comportamento podem sinalizar a existência do problema. São alguns deles: isolamento, descuido com a aparência, perda de interesse em atividades antes prazerosas, alterações no sono e apetite e frases como “Preferia estar morto”, “Quero desaparecer”. O oferecimento de uma escuta e um espaço que proporcione a fala pode ajudar, e muito, a prevenir uma tomada de decisão pelo fim da vida.

Fonte: Ascom CBMERJ

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.