Octacilio Barbosa

Contingenciamento de verbas na educação pode demitir 2,5 mil terceirizados em instituições federais no Estado

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

O contingenciamento de verbas na área da educação pode acarretar a demissão de 2,5 mil funcionários terceirizados em instituições federais no estado do Rio de Janeiro. O dado foi divulgado durante a segunda audiência pública da Jornada do Corte Federal, realizada pela Comissão de Economia, Indústria e Comércio, da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), nesta quinta-feira (06/06), na Universidade Federal Fluminense (UFF), em Niterói. Essa estimativa é da diretora de Administração e Planejamento do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (Cefet-RJ), Inessa Salomão.

A diretora teme que o contingenciamento leve prestadoras de serviços à falência e, assim, paralise os campi federais. “Vimos isso acontecer na crise da Uerj, que ficou em greve por três meses entre 2017 e 2018. A empresa de segurança que atendia a Uerj prestava serviço para outras instituições. Ela ficou sem receber e quebrou. E quando ela faliu, muitas unidades ficaram sem serviço de segurança. Foi um efeito cascata. E o que pode acontecer agora é bem pior. Se a UFRJ, por exemplo, parar de pagar fornecedores por muito tempo, eles quebram e deixam muitas unidades sem serviço, alertou Inessa.

Segundo o cientista social Renato Dirk, da Subsecretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Planejamento do Rio, a medida anunciada pelo Governo Federal em março pode provocar um aumento da violência: “Se um campus fechar, o entorno vai morrer também. Os comércios começam a se mudar e outros fecham. Esse corte parece ser criminoso, e vai ter degradação social. É só olhar para o que aconteceu na Avenida Brasil com saída das grandes empresas. O passo seguinte é o aumento da criminalidade”.

Para o presidente da Comissão de Economia da Alerj, deputado Renan Ferreirinha (PSB), a situação é crítica. “Após essa audiência, estou ainda mais convencido de que o contingenciamento será muito danoso para a economia do estado do Rio de Janeiro. O governo federal está asfixiando a Educação. E asfixiar a Educação é matar o nosso futuro”, comentou.

Impacto no interior do estado

Representantes das cidades de Quissamã e Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, reforçaram que o enfraquecimento das entidades federais serão prejudiciais para a economia e o desenvolvimento dos municípios. Eles lembraram que as unidades já estavam sem recursos desde o ano passado e que o contingenciamento anunciado este ano inviabiliza o funcionamento dos campi a partir de agosto.

O secretário municipal de Desenvolvimento de Campos, Felipe Quintanilha, apontou para um possível enfraquecimento da economia no interior do estado. “Sem o Instituto Federal Fluminense (IFF), Campos não teria nem sombra de inovação, tecnologia e empreendedorismo. Não consigo imaginar como seria a cidade sem o campus”, observou.

Igor Valpassos, da diretoria do Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ), citou um caso grave que pode acontecer no interior, onde a instituições federais têm seus campi. Ele afirmou que o corte de verbas no campus em Pinheiral, por exemplo, pode significar a morte de animais. É que o IFRJ funciona em uma fazenda e, sem recursos, não haveria como manter os 45 postos de manutenção da área. “Isso implicará na morte de equinos e suínos. O corte de verba impacta a vida dos estudantes e dos animais. No campi de Engenheiro Paulo de Frontin, temos o primeiro curso público do Brasil de jogos digitais em uma cidade do interior, e a maior parte dos alunos é de outras cidades. Com o corte, as aulas podem parar e esses alunos certamente irão deixar a cidade”, conta Valpassos.

Além do deputado estadual Waldeck Carneiro, vice-presidente da Comissão de Economia da Alerj, também participaram da audiência Luciano Lourenço, representante da prefeitura de Quissamã; João Neto, do DCE da UFF; e Fernanda da Costa, do IFF.

A última audiência pública da Jornada do Corte Federal está marcada para a próxima quinta-feira (13/06), às 9h30, no Auditório Pedro Calmon da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no campus da Praia Vermelha. O encontro buscará mensurar os impactos do contingenciamento de longo prazo, e o efeito no mercado de trabalho e na arrecadação do Estado.

Fonte: Alerj

Crédito da foto: Octacilio Barbosa

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.