Cerca de 53 milhões de pessoas no Brasil relatam desconforto digestivo após o consumo de derivados de leite[1], mas não é só por aqui que isso acontece. Mundo afora, existem grupos étnicos onde a prevalência da intolerância à lactose é maior, como nos asiáticos, sul-americanos e negros.2 Abaixo, Eduardo André, Doutor pela FMUSP e Pós-Doutor em Gastroenterologia pela Universidade de Londres, explica essa relação.

Estudos indicam que negros, asiáticos e sul-americanos estão entre as pessoas com maior propensão a intolerância à lactose. Juntas, estas populações podem ter até 80% das pessoas com intolerância na fase adulta.[2] No noroeste da Europa, por outro lado, a incidência em adultos é menor que 20%.3 Esse desconforto acontece devido à deficiência da lactase, que digere a lactose (o açúcar) presente no leite e derivados.[3]

O especialista aponta que o principal motivo para as diferenças entre os níveis de intolerância nestas nacionalidades é a adaptação aos hábitos regionais, que se estabelecem ao longo de centenas de anos. “Por conta disso, as condições de aparecimento dos sintomas são multifatoriais, como hábitos da dieta local, variedade de alimentos disponíveis, interação química entre estes alimentos e tipo de preparação, hereditariedade e velocidade de absorção de cada organismo”, destaca.

Para o médico, alimentos lácteos são grandes fontes de nutrientes, importantes para o desenvolvimento humano. “Quando há intolerância, recomenda-se acompanhamento médico com gastroenterologista e nutricionista. Dessa forma, será possível entender corretamente o organismo e suplementá-lo da melhor maneira, levando-o a ter uma vida praticamente normal”.

Dr. Eduardo André ressalta que é possível neutralizar o problema com essa suplementação. “No mercado nacional, já se tem a possibilidade de comprar e usar a enzima lactase, que permite a ingestão de refeições lácteas sem qualquer receio, proporcionando bem-estar e dieta balanceada aos intolerantes. Importante verificar também se a eficácia é testada e comprovada, mais um indício para garantir qualidade de vida”.

Ele esclarece ainda que há opções, como comprimidos, que podem ser levados a qualquer local e serem consumidos com 15 minutos de antecedência da refeição. “Dessa forma, o corpo não deixa de absorver alimentos importantes para seu desenvolvimento. Os derivados de leite são ricos em proteínas, vitaminas e cálcio, e devem estar presentes em todas as fases – infância, idade adulta e senioridade”, explica.

A intensidade dos sintomas varia, dependendo da quantidade de lactose ingerida, e aumentam com o avançar da idade.[4] Por conta disso, Dr. Eduardo conclui alertando que “deve-se ter atenção aos sinais do corpo e manter uma dieta equilibrada e saudável. Pode ter ingestão de leite e derivados sim, como sorvetes, bolos e queijos, desde que com a correta suplementação”, finaliza.

Diferencial do mercado

Única com estudo clínico no Brasil, Perlatte (Eurofarma) pode ser consumida a qualquer hora e local, sempre antes das refeições lácteas, pois seu formato de comprimido pronto para o uso direto não necessita de preparação prévia ao consumo. Além disso, Perlatte é a única enzima no Brasil com eficácia testada e comprovada5, diferenciais que fazem com que o suplemento seja o mais recomendado pelos especialistas.5 Para a melhor absorção da enzima no organismo, recomenda-se o uso prévio com um período médio de 15 minutos.[5]

Sobre o Grupo Eurofarma

Com 46 anos de existência, o Grupo Eurofarma é a primeira multinacional farmacêutica brasileira com capital 100% nacional, sendo reconhecido pela comunidade médica e sociedade por promover o acesso à saúde e à qualidade de vida com tratamentos a preço justo, qualidade e inovação.

Presente em 20 países, atua nos segmentos de Prescrição Médica e Isentos de Prescrição, Genéricos, Hospitalar, Licitações, Oncologia, Veterinária e Serviços a Terceiros.

No Brasil, o portfólio é representado por 335 marcas, em 844 apresentações, contemplando 28 especialidades médicas e 148 classes terapêuticas.

Para mais informações, visite www.eurofarma.com.br

Facebook: @eurofarma | LinkedIn: @eurofarma | Instagram: @eurofarma_br

Crédito da foto: Reprodução da internet