Comdep recolhe 42 lixeiras de poste por causa de vandalismo

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

A Comdep recolheu nesta segunda-feira (18.03) 42 lixeiras de poste em três locais: Terminal do Centro, Rua do Imperador e Paulo Barbosa. Elas foram danificadas por atos de vandalismo, causando um prejuízo de R$ 3.360. Esse trabalho ocorre após uma vistoria na sexta-feira (15.03) identificar essas peças quebras. Ainda nesta segunda, algumas começaram a ser repostas pelo departamento de obras da Companhia.

Essas lixeiras são feitas de plástico e são amarradas nos postes com fita metálica e presilhas de aço. Elas possuem capacidade de 15 quilos de lixo. No entanto, muitas delas estão sendo quebradas e poucas poderão ser recuperadas para uso novamente. Por isso, para reposição delas, a maior parte terá que ser comprada – o custo é de R$ 80 cada peça.

“Todo trabalho de colocação dessas lixeiras é feito para que a população consiga encontrar com facilidade um local para o descarte correto do lixo. Então esses atos de vandalismo não causam só o prejuízo financeiro, mas também prejudicam as pessoas que querem contribuir e se preocupam com a limpeza da cidade”, afirma o prefeito Bernardo Rossi.

Neste ano, a Comdep já havia instalado 200 lixeiras (sendo 80 no Centro, local de maior movimentação de pessoas diariamente, e 120 nos bairros e distritos). Algumas dessas foram colocadas já para repor outras que foram alvo de vandalismo. Antes disso, os principais problemas eram tentativas de furtos das peças de metal e pichação, permitindo a reciclagem de algumas dessas lixeiras – já outras eram incendiadas.

Por causa disso, a Comdep fez uma nova encomenda de 200 lixeiras para poder instalar no município, incluindo no lugar das que foram quebradas. Esse serviço vai acontecer da mesma foram que já ocorreu no Terminal do Centro nesta segunda, onde foram recolocadas 11 lixeiras.

“A Comdep não vai deixar que esses atos de vandalismo prejudiquem a limpeza da cidade. Há equipes de varrição para atuar todos os dias nesses locais e já foi feito o pedido de uma nova remessa de lixeiras. Assim que o fornecedor fizer a entrega, elas serão colocadas para atender a população”, diz o presidente da Comdep, Wagner Silva.

A trabalhadora doméstica, Renata Vasconcelos, frequenta o Terminal do Centro todos os dias. Ela lamentou que os atos de vandalismos estejam ocorrendo com frequência.

“Isso não era assim, agora que está acontecendo muito. E é ruim a gente ver essa situação, as coisas sendo quebradas. Acho muito importante que já esteja sendo trocado para não deixar tudo sujo”, falou.

Atos de vandalismo podem gerar até seis meses de prisão e multa aos responsáveis, como prevê o artigo 163 do Código Penal, podendo aumentar em três anos por se tratar de dano ao patrimônio público.

Em 2018, as coletoras grandes, feitas de plástico rígido e com capacidade de uma tonelada de lixo, também foram alvo de vandalismo. Até agora, 44 dessas coletoras haviam sido queimadas ou quebradas, obrigando a reposição delas nas comunidades. Em toda cidade, são cerca de 1,2 mil dessas coletoras e ainda mais 800 de metal com base de concreto.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.