Reprodução da internet

Com 79% de imposto, perfume importado lidera ranking de carga tributária nos presentes para os pais Informação é da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), que fez levantamento com porcentagens de impostos embutidos em mais de 40 produtos; preferidos no Dia dos Pais, roupas e calçados têm mais de 30%

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Neste ano, quem presentear o pai com um perfume importado de R$ 170 vai desembolsar cerca de R$ 134,30 só de impostos, segundo a Associação Comercial de São Paulo (ACSP). A entidade informa as cargas tributárias de 43 itens mais procurados para o Dia dos Pais. Com 78,99% de tributos, o perfume importado está no topo do levantamento, seguido por vinho importado (69,73%), perfume nacional (69,13%), vodca e whisky, ambos com 67,03%. “Nos produtos importados, além das taxas comuns (IPI, ICMS, PIS/COFINS) é acrescentado o imposto de importação. Além disso, a alta do dólar tem pressionado o preço desses produtos”, esclarece Alencar Burti, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp).

Roupas e sapatos, que costumam ser os preferidos no Dia dos Pais, têm mais de 30% do preço final comprometidos com tributos. “Mesmo assim, o segmento deve ter aumento de vendas, já que o consumidor tende a aproveitar as atuais liquidações da moda Outono-Inverno”, avalia Burti. Do ramo de vestuário e calçados, as maiores cargas são do tênis importado (58,59%) e do tênis nacional (44%). Calça jeans e sapato têm taxas de 34,67% e 36,17%, respectivamente. Para os pais mais descolados, o boné tem carga de 35,06% e, a bermuda, 34,67% ― é a mesma carga de blazer, calça de tecido, camisa de time de futebol, camisa social, camiseta e casaco de couro. Para os pais mais formais, a gravata tem 35,48% e, o terno, 34,67%.

Celulares e aparelhos eletrônicos podem ter boa saída. E, em função das sobras da Copa do Mundo, o consumidor pode aproveitar as promoções de TVs”, diz o presidente da ACSP. Algumas tributações desses produtos são: iPad importado (59,32%), TV (44,94%), telefone celular (39,8%), iPad nacional (37,79%) e microcomputador (33,62%).

O levantamento, encomendado pela ACSP ao Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), mostra que os presentes com menores tributações são aqueles ligados a alimentação, entretenimento e cultura, como refeição em restaurante (32,31%), ingresso para jogo de futebol e cinema (20,85%) e livro (15,52%). Burti explica que as taxas são menores porque não há incidência de um imposto, o IPI.

Por fim, ele lembra que o atual e o futuro governo precisam fazer uma boa gestão do dinheiro público sem, no entanto, elevar imposto. “É preciso equilibrar os gastos, mas sem resolver o problema por meio do aumento da carga tributária brasileira, que já é muito pesada. A fragilidade da economia não comporta mais aumento de imposto”.

Veja o levantamento completo:

Sobre a ACSP: A Associação Comercial de São Paulo (ACSP), em seus 123 anos de história, é considerada a voz do empreendedor paulistano. A instituição atua diretamente na defesa da livre iniciativa e, ao longo de sua trajetória, esteve sempre ao lado da pequena e média empresa e dos profissionais liberais, contribuindo para o desenvolvimento do comércio, da indústria e da prestação de serviços. Além do seu prédio central, a ACSP dispõe de 15 Sedes Distritais, que mantêm os associados informados sobre assuntos do seu interesse, promovem palestras e buscam soluções para os problemas de cada região

Fonte: Associação Comercial de São Paulo (ACSP)

Crédito da foto: Reprodução da internet

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.