Reprodução da internet

Colégios estaduais da Baixada Fluminense dão lições de Empreendedorismo Alunos já colocam em prática as orientações recebidas nas aulas. Para potencializar essas qualidades, mais 13 escolas da região passarão a ofertar Ensino Médio Profissionalizante em Empreendedorismo em tempo integral, com matrículas que serão abertas no final deste mês

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

A criatividade e a capacidade de superar limites são marcas da população da Baixada Fluminense. Com mais oportunidades, os jovens mostram o quanto podem evoluir e conquistar um futuro promissor. Para potencializar essas qualidades, mais 13 escolas da Baixada Fluminense passarão a ofertar Ensino Médio Profissionalizante em Empreendedorismo em tempo integral, com matrículas que serão abertas no final deste mês. Em todo o estado serão 60 novas unidades de ensino neste modelo.

De 2016 a 2018, a Secretaria de Estado de Educação implementou Ensino Médio Profissionalizante em Empreendedorismo em  tempo integral em 21 unidades da Baixada Fluminense. Em 2019, serão 34 escolas em tempo integral profissionalizantes em Empreendedorismo nesta região, sendo 22 Cieps. Além da carga horária aumentada em diversas disciplinas, essas unidades possuem como diferencial na matriz curricular a inclusão dos componentes Projeto de Vida e Mundo do Trabalho, Projeto de Pesquisa e Intervenção (Gestão de Projetos), Estudos Orientados e Empreendedorismo, que fazem parte do Núcleo Articulador ‘Ciência, Cultura e Trabalho’.

No Ciep 329 – Juan Martinho Carrasco, em Itaguaí, que possui cerca de 130 alunos, o empreendedorismo começa na capacidade de saber interagir. Partindo de um trabalho de observação, os professores perceberam que os alunos tinham dificuldade de expressar suas ideias e de falar em público, que são aptidões essenciais não só para o mercado profissional, mas para a vida.

– Já conseguimos ver mudanças. A capacidade de argumentação e persuasão desses jovens melhorou bastante – disse a diretora-adjunta Alvaneire Diniz, que administra a unidade em parceria com a diretora-geral Keila Siqueira.

Para a aluna Lohrana dos Santos Bandeira, de 17 anos, empreender está no ‘DNA’ da família. Ao lado da mãe, que possui um salão de beleza, ela já começou a dar os primeiros passos no ramo da estética, dando aulas de maquiagem e design de sobrancelhas.

– O Ciep ajudou muito na forma de me expressar e abriu minha mente para ajudar o próximo. Minha ideia é ter meu próprio instituto para continuar ensinando outras pessoas, e já estou fazendo curso de aperfeiçoamento na área depois que saio do colégio – destacou Lohrana, que ainda dedica seu tempo a um trabalho voluntário, arrecadando alimentos e levando carinho para um abrigo local.

Segundo o aluno Carlos Guilherme Podcameni, de 16 anos, da 2º série do Ensino Médio, o conceito de empreendedorismo é amplo e pode ir além de abrir o próprio negócio.

– Aqui eu aprendi a me expressar, a reconhecer as minhas habilidades, a preparar um currículo. Para ter perspectivas sobre o futuro e conhecer melhor o outro, é importante o autoconhecimento – ressaltou.

Fã de gêneros variados, que vão desde a fantasia da britânica J. K. Rowling (Harry Potter), passando pela mitologia de J.R.R. Tolkien (Senhor dos Anéis) até chegar à autoajuda do psiquiatra brasileiro Augusto Cury, Carlos Guilherme já está dando os primeiros passos na arte literária e começou a escrever seu primeiro livro em que pretende reunir todas as suas paixões.

No Ciep 168 – Hilda Silveira Rodrigues, em Nova Iguaçu, além das aulas regulares, os estudantes também participam de oficinas temáticas de limpeza de pele, confecção de pulseiras e cordões artesanais, crochê e maquiagem.

– Um ex-aluno que começou a fazer cordões na escola acabou aprendendo novas técnicas e depois voltou para nos ensinar. Outra aluna me disse que agora consegue administrar melhor o dinheiro que recebe do pai e já está até conseguindo uma renda extra com o que sobra – enumerou o professor Márcio Baltazar, agradecendo o apoio da diretora Valéria Motta e de toda a equipe escolar.

De acordo com o secretário de Estado de Educação, Wagner Victer, as escolas em tempo integral profissionalizantes em Empreendedorismo possuem parcerias com o Instituto Ayrton Senna e o Sebrae para capacitação dos professores que vão atuar em sala de aula com os alunos.

– Além disso, os alunos dessas unidades de ensino terão o benefício de receber o registro profissional por meio do Conselho Regional de Administração (CRA/RJ) ao final do curso – finalizou Victer.

Fonte: GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Crédito da foto: Reprodução da internet

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.