Foto: Breno Esaki/Agência Saúde DF

Cobertura vacinal da pólio despenca de 97% para 67% em 10 anos no Brasil

A doença ressurgiu em Israel e também tem uma nova cepa no Malaui, sudeste da África. No Brasil, o último caso da pólio foi detectado em 1989 e o país possuiu certificado de erradicação desde 1994.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

A poliomielite no Brasil tem um “alto risco de reintrodução” da doença. A cobertura vacinal, que era de 96,55% em 2012 caiu para 67,71% em 2021, levando em consideração as primeiras três doses da vacina, que devem ser aplicadas no primeiro ano de vida da criança.

A doença ressurgiu em Israel e também tem uma nova cepa no Malaui, sudeste da África. No Brasil, o último caso da pólio foi detectado em 1989 e o país possuiu certificado de erradicação desde 1994.

A primeira dose da vacina da pólio é aplicada a partir dos dois meses de vida, com outras duas doses aos quatro e seis meses, além do primeiro reforço entre 15 e 18 meses e do segundo reforço entre quatro e seis anos de idade, segundo a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).

Considerando todas as doses, a cobertura vacinal que era de 96,55% em 2012, caiu para 59,37% em 2021. A mais baixa foi a dose de reforço dada aos quatro anos, com apenas 52,51% das crianças recebendo a dose, segundo dados do DataSUS.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.