Cinco anos após o acidente da Chapecoense, familiares ainda buscam por respostas

Muitos ainda não receberam indenizações pela queda do avião.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Por: Samuel Freitas

Há pouco mais de cinco anos, uma tragédia marcou o futebol mundial e principalmente o brasileiro. O avião que transportava a delegação da Chapecoense até a Colômbia, para o primeiro jogo da final da Copa Sul-Americana de 2016, contra o Atlético Nacional, fez um pouso forçado, na região de Antióquia, deixando 71 vítimas e somente seis sobreviventes. Até hoje, as famílias das vítimas buscam por respostas.

A aeronave da LaMia possuía uma apólice de seguro contratada no valor de U$ 25 milhões (valor abaixo do usado para voos deste tipo), mas a seguradora se recusa a pagar as indenizações, por considerar que havia problemas no voo. Os familiares, porém, acreditam que outras irregularidades existiam na contratação do seguro e na liberação da viagem.

Desde o dia do acidente até hoje, a luta das famílias ainda continua. O seguro ofereceu U$ 225 mil aos parentes como indenização, mas apenas alguns aceitaram. A Chapecoense foi condenada a pagar R$ 800 mil aos familiares de um fisioterapeuta morto no acidente e R$ 14 milhões para a do jogador Wiliam Thiego. Cinco anos após a tragédia, muitos ainda não receberam indenizações pela queda do avião.

No dia 29 de novembro de 2016, a delegação da Chapecoense saiu de Guarulhos para a Bolívia em voo comercial com 72 passageiros e nove tripulantes. Depois de fazer escala técnica, deixou Santa Cruz de La Sierra em direção a Medellín. Enquanto sobrevoava as cidades colombianas de La Ceja e Abejorral, a aeronave perdeu contato com a torre de controle do aeroporto José Maria Córdova e poucos minutos depois, caiu.

O lateral Alan Ruschel, o zagueiro Neto e o goleiro Follmannm, que teve que amputar uma perna, foram os únicos atletas que sobreviveram. Além deles, também saíram com vida, o jornalista Rafael Henzel – que morreu em 2019, após sofre um infarto fulminante – e os dois integrantes da tripulação: Ximena Suárez e Erwin Tumiri.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.