Por decisão do governador Luiz Fernando Pezão, a Operação Centro Presente, que reduziu em cerca de 70% os índices criminais na região do Centro do Rio continuará funcionando até o fim do ano com recursos próprios do estado. O convênio, firmado entre o governo estadual, a Prefeitura do Rio e o Sesc-RJ, termina no próximo domingo (30/9) e não será renovado.

– A Operação Segurança Presente é importantíssima para reduzir a criminalidade. E o Centro Presente é o principal exemplo desse trabalho. A atuação diária dos policiais e agentes civis devolveu tranquilidade a quem circula pelo Centro do Rio – destaca o governador.

Segundo dados com base nos registros feitos na 4ª DP (Central), no primeiro semestre de 2016, período anterior ao início da Operação, foram registrados na área de atuação do Centro Presente, 1.053 roubos de rua (celular, transeunte e coletivo) e 107 roubos de veículos. No mesmo período de 2017, com um ano de operação, os roubos de rua caíram 52% e, na comparação do primeiro semestre deste ano de 2018 com o mesmo período no ano de 2016, quando não havia o Centro Presente, a queda foi de aproximadamente 70%. Já os registros de roubos de veículos, no primeiro semestre de 2016, foram de 107 casos, e no mesmo período, em 2018, foram 54 roubos de veículos registrados, ou seja, houve queda de pouco mais de 50%.

Desde que foi iniciada, há pouco mais de dois anos, a Operação Centro Presente realizou 3.564 prisões (até o dia 27 de setembro). Além dos flagrantes, foram cumpridos 915 mandados de prisão, ou seja, pelo menos um foragido da justiça capturado por dia. A maioria dos mandados foi expedido pelos crimes de roubo, furto, tráfico de drogas e homicídio.

Patrulhamento diário
O patrulhamento no Centro do Rio é feito diariamente por 522 agentes, entre policiais militares da ativa, da reserva e agentes civis egressos das Forças Armadas. A área de atuação da Operação Centro Presente vai da Praça Mauá até a Candelária, passando pela Praça XV, Largo da Carioca, Rua Uruguaiana, Sete de Setembro e Avenida Presidente Vargas até a Praça Onze.

Além do trabalho ostensivo, a Operação Centro Presente conta também com assistentes sociais de plantão nas bases. Elas realizam o trabalho de encaminhamento para o acolhimento de moradores de rua e, ainda, cuidam de pessoas perdidas e sem documentações. Em pouco mais de dois anos, foram realizados mais de 15 mil ações de acolhimento.

Fonte: GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Crédito da foto: Paulo Nicolella / Agência O Globo