A Comdep abriu as portas do Centro de Triagem de Cascatinha para visitação de alunos de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Estácio de Sá. A atividade ocorreu dentro da Semana de Arquitetura e Urbanismo promovida pela faculdade, na última semana. O espaço é o local onde o lixo reciclável coletado na cidade passa por separação e seleção e, depois, é comercializado por uma cooperativa de catadores. O objetivo foi mostrar como o trabalho é feito para que futuros arquitetos formados pela universidade tenham um olhar diferenciado em relação ao reaproveitamento de materiais.

Durante a Semana de Arquitetura e Urbanismo, a Comdep manteve um stand sobre coleta seletiva, com informações sobre o tempo de decomposição de produtos, exposição de peças de artesanato feitos com produtos reaproveitados e mostrar os trabalhos de coleta seletiva realizados no município.

“Esses trabalhos precisam de espaços como esse aberto pela Semana de Arquitetura e Urbanismo para que mais pessoas possam conhecer, ter a conscientização e passar a fazer a coleta seletiva no município”, destaca o prefeito Bernardo Rossi.

A reciclagem foi um dos temas principais temas debatidos pela universidade. A intenção era mostrar aos alunos a importância de se pensar sobre consumo, aproveitamento e descarte consciente dos materiais usados na construção civil.

“Essa visita externa faz parte de seminários, palestras, oficinas da Semana de Arquitetura e Urbanismo que a gente dedicou esse semestre especificamente para falar de reciclar a arquitetura. Isso não significa falar de arquitetura reciclável, mas de repensar a arquitetura”, explica

O professor do curso de Arquitetura e Urbanismo, Paulo Igreja, ressalta que esse é um conceito antigo – ele lembra que ainda na década de 1920 foi construída a “Casa da Flor”, em São Pedro da Aldeia, feita e decorada apenas com materiais retirados do lixo. Para o docente, esse é um assunto que vem sendo levando cada vez mais em consideração pelos alunos porque eles vivenciam essa necessidade.

O aluno Arthur Vogel acredita que a visita deu uma oportunidade única de aguçar a criatividade sobre novas maneiras de usar os produtos de forma ecologicamente correta.

“Essa ideia de ‘reciclar a Arquitetura’ traz esse conhecimento da reciclagem em si. Então poder trazer para veia e embasar esse conhecimento de reciclagem aqui no Centro de Triagem é supervalioso isso. E isso tudo pensando em um futuro melhor”, destaca.

No Centro de Triagem de Cascatinha, a Cooperativa Crescer tem 15 pessoas que fazem a separação do lixo recolhido pela Comdep na coleta seletiva eventual e do programa “Porta a Porta” e o que é recebido como doação nos ecopontos. Parte desse material recolhido pela Comdep vai para o grupo de catadores que trabalha no local e outra vai para outras cooperativas da cidade. Só em Cascatinha, em fevereiro, a Cooperativa Crescer fez a triagem de 72 toneladas de materiais como plástico, papel, alumínio e vidro. Para isso, ela conta com uma prensa, uma balança, uma paleteira (um equipamento tipo empilhadeira) e quatro mesas separadoras.

“Para a gente, é muito importante que as instituições de ensino venham e conheçam esse trabalho porque a gente precisa sempre evoluir, a gente precisa sempre de conhecimento. Esse conhecimento da universidade é de muito valor e por isso a gente está sempre aberto para fazer projetos em conjunto e possa cada vez mais expandir a coleta seletiva no município”, diz o direto técnico-industrial da Comdep, Marcos Albuquerque, que acompanhou a atividade.