Central de Regulação Hospitalar do município é habilitada pelo Ministério da Saúde

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

A Central de Regulação Hospitalar de Petrópolis teve a implantação aprovada pelo Ministério da Saúde e agora será custeada pelo Governo Federal. O município passa a receber uma verba de R$ 820.800,00 ao ano para arcar com os custos do sistema que organiza o atendimento da rede pública de saúde, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). O serviço foi habilitado pela Portaria 3.448, publicada no Diário Oficial da União, de 25 de outubro de 2018.

De acordo com a publicação, já no mês de dezembro de 2018, uma verba de R$ 68.400 começa a ser direcionada mensalmente para a manutenção do sistema. Petrópolis é uma das poucas cidades do estado do Rio de Janeiro e a primeira da Região Serrada, a ter o custeio do Ministério da Saúde para a Central de Regulação. O sistema, implantado na cidade desde 2014, organiza o acesso aos serviços oferecidos pela rede pública de saúde. A partir dele, os pacientes são direcionados para atendimentos de fisioterapia, fonoaudiologia e psicologia, exames e internações hospitalares respeitando a ordem de encaminhamento e os critérios de classificação de risco.

A Central de Regulação Hospitalar de Petrópolis já é considerada modelo para outros municípios, que buscam na cidade informações para a implantação do serviço. “A habilitação do serviço pelo Ministério da Saúde é um ganho para o município. Poderemos redirecionar a verba, antes custeada pelo governo municipal, para outras necessidades da área de saúde. É um orgulho ver que outros municípios buscam em Petrópolis o modelo para a implantação do serviço”, destaca o prefeito Bernardo Rossi.

O repasse da verba pelo Ministério da Saúde foi possível a partir de um trabalho de adequação do serviço. Para ser habilitada, a implantação da Central teve que seguir critérios técnicos e de infraestrutura. O custeio do Ministério da Saúde vai cobrir os gastos com a manutenção do sistema, dos recursos humanos e da estrutura. “O repasse dessa verba do Ministério da Saúde representa uma economia para o município e vamos garantir a manutenção desse sistema que organiza o acesso da população aos serviços da rede pública de saúde”, ressalta a secretária de Saúde, Fabíola Heck.

Por meio da Central de Regulação é respeitado o princípio para o atendimento médico estabelecido pelo SUS, que prevê universalidade, integralidade e equidade. “O sistema garante que a fila de espera seja ordenada de acordo com a necessidade de cada paciente”, explica Fabíola. O sistema permite o direcionamento dos pacientes para consultas e exames para a rede própria, contratada ou conveniada e organiza as internações nas unidades hospitalares disponíveis no município.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.