Edilson Rodrigues/Agência Senado

CDR vota na quarta regulamentação da profissão de salva-vidas

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

A Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo (CDR) tem reunião deliberativa marcada para a próxima quarta-feira (5), às 9h, com apenas um item na pauta: a regulamentação da profissão de salva-vidas. De autoria do deputado Nelson Pellegrino (PT-BA), o Projeto de Lei da Câmara (PLC) 42/2013 recebeu parecer pela aprovação, com emendas, do relator, o senador Styvenson Valentim (Pode-RN).

A matéria foi inicialmente distribuída à Comissão de Assuntos Sociais (CAS), em decisão terminativa, onde teve parecer do senador Paulo Paim (PT-RS) aprovado, com duas emendas. No entanto, por força de requerimento, o texto passou pelo Plenário, onde também recebeu emendas. Em seguida, requerimento da ex-senadora Ana Amélia levou o projeto a ser analisado também pela CDR. Em seguida, a proposta irá à Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), à qual caberá decisão terminativa.

Styvenson define a profissão de salva-vidas como “de suma importância para o desenvolvimento adequado e seguro de outras atividades recreativas ou profissionais”. Ele acredita que a regulamentação contribuirá para o aprimoramento da atividade. Ele citou dado da Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático (Sobrasa) que aponta o afogamento como segunda maior causa de morte acidental no Brasil.

O relator acatou parte da primeira emenda apresentada por Paulo Paim, quando da aprovação da matéria na CAS. Ele concorda com a modificação que visa assegurar o exercício regular da profissão a quem já trabalha na área na data de entrada em vigência da futura lei. Mas rejeitou a parte que previa piso salarial de R$ 2.364,00, por entender que essa definição será mais adequada se feita por meio de convenção ou acordo coletivo. A fixação do valor em lei, segundo o relator, tornaria rígidos quaisquer ajustes posteriores.

Nos termos originais da proposta, era estabelecido prazo de um ano para que o salva-vidas realizasse curso profissionalizante para continuar no exercício da profissão. Segundo Styvenson, essa exigência poderia excluir muitos profissionais “de um mercado que já sofre com efetivo reduzido”.

Já a segunda emenda de Paim foi integralmente acatada por Styvenson. Ela suprime artigo do PLC que tratava de curso profissionalizante específico na área. O senador concorda que esse detalhamento fere a autonomia pedagógica das entidades e instituições de ensino, sendo suficientes especificações da proposição, como a de que o profissional deve ter mais de 18 anos de idade, gozar de plena saúde física e mental e ter ensino médio completo.

Styvenson rejeitou uma emenda de Plenário, que suprimia do PLC a determinação da presença de dois salva-vidas para cada 300 m2 de superfície aquática durante os horários de uso de piscinas públicas e coletivas. Mas acatou parte de emenda de aprimoramento desse teor, proposta pelo ex-senador Valdir Raupp, que prevê um guarda-vidas durante todo o período de funcionamento em piscinas com até 350m2 de superfície. No caso de piscina em movimento de correnteza ou ondas, será necessário um profissional a cada 200m2 de área de piscina.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.