Biorreatores da Eppendorf são usados no processo (Divulgação: Eppendorf)

Carne cultivada em laboratório: uma realidade sustentável cada vez mais próxima

O Brasil pode se tornar pioneiro na comercialização da carne de peixe criada em laboratório.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Na busca por um mundo mais sustentável, a carne cultivada em laboratório vem ganhando espaço. Composta por células animais, mas produzida em ambientes controlados, ela se parece com a que consumimos tradicionalmente e é uma aposta para a necessidade de alimentos que o mundo poderá enfrentar com as mudanças climáticas e o desgaste do meio ambiente.

Como enfrentaremos a demanda por alimento em um futuro próximo? Soluções inovadoras e sustentáveis são a base para qualquer progresso, por isso hoje falamos tanto em alternativas, como a carne cultivada em laboratório”, destaca Luiza Mimura, especialista de produtos na Eppendorf do Brasil, que produz tecnologia que cria um ambiente ideal para o crescimento de células-tronco, como os biorreatores empregados no cultivo da carne.

Como esse novo produto surgiu?

Nas últimas duas décadas, as células-tronco cumpriram sua promessa de transformar a ciência, principalmente na área de saúde, auxiliando no tratamento de leucemia e de outras doenças. Mais recentemente, com o avanço das pesquisas, a técnica está cada vez mais preparada para revolucionar também a indústria de alimentos e vem sendo usada para substituir outros produtos tradicionais, como o couro utilizado na indústria têxtil.

Como a carne é cultivada em laboratório

As células-tronco são isoladas através de uma pequena biópsia de um animal vivo — escolhido com base na carne que está sendo produzida. Depois disso, elas são cultivadas em condições especiais e estimuladas a se diferenciar entre músculo ou gordura, ou outros tipos de células. Após esta etapa, são colhidas e montadas em um tecido que se assemelha à carne com a ajuda da engenharia de tecidos.

Brasil sai na frente com a produção de pescado

O Brasil pode se tornar pioneiro na comercialização da carne de peixe criada em laboratório. E o caminho já está sendo trilhado pela startup carioca Sustineri Piscis, que obteve, no início deste ano, a primeira bioprodução da carne de pescado por meio do cultivo celular no Brasil, a partir da biópsia de quatro espécies comerciais de peixe (garoupa, cherne, robalo e linguado). O objetivo é iniciar a produção industrial e a comercialização a partir de 2023.

Trata-se de uma alternativa mais sustentável que não vai substituir, e sim acrescentar. Além da economia de água e espaço para criadouros, é um caminho viável para garantir a sobrevivência de espécies ameaçadas de extinção. A carne de pescado em laboratório pode ser produzida em qualquer lugar, evitando, assim, grandes deslocamentos e até o congelamento da carne”, garante o biólogo marinho Marcelo Szpilman, fundador da Sustineri Piscis.

Afinal, a carne cultivada em laboratório faz mal à saúde?

Muito pelo contrário, segundo especialistas. A carne cultivada em laboratório tende a ser mais saudável do que a adquirida na pecuária, já que o cultivo das células é controlado, e até mesmo a administração de antibióticos é feita na medida certa para evitar a contaminação. Por outro lado, na criação de gado convencional, muitas vezes, há um consumo muito grande de medicamentos e outras substâncias que podem ser nocivas ao ser humano. Outra questão é o desenvolvimento do sabor e o valor nutricional do produto. Muitos estudos estão em andamento para a produção de carnes mais complexas, como um bife, que tem uma textura e sabor diferentes de um hambúrguer, por exemplo.

Os avanços nas tecnologias e em pesquisa permitirão que esses novos produtos cheguem em um curto espaço de tempo às prateleiras do nosso supermercado favorito. Poucos anos se passaram desde a fabricação de um hambúrguer no laboratório. O consumo e a produção em grande escala permitirão que o custo de produção e do produto final sejam acessíveis”, afirma Luiza Mimura, que frisa ainda que a crescente conscientização sobre os benefícios da carne cultivada vem ajudando bastante a aumentar a aceitação social do produto.

O que falta para a comercialização de carne cultivada em laboratório

Alavancar a produção de biorreatores e aperfeiçoar as condições que permitem a produção em longa escala seriam as chaves para levar a carne cultivada aos supermercados. Biorreatores são equipamentos capazes de transformar matérias-primas em produtos, utilizando agentes biológicos como células, enzimas ou microrganismos. Eles são capazes de controlar temperatura, pressão, pH, agitação, espuma e outros parâmetros.

A Eppendorf, como empresa especializada em instrumentos, consumíveis e serviços para bioprocessos e uma série de outras aplicações para as ciências da vida, vem contribuindo na área de tecnologia de células-tronco, na utilização de biorreatores que criam um ambiente ideal para o crescimento das células.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.