Carnaval terá financiamento privado e recorde orçamentário

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Cinco meses depois de anunciar o corte de 50% dos recursos destinados às escolas de samba do Grupo Especial, oficialmente para priorizar as áreas da Saúde e da Educação, a gestão de Marcelo Crivella (PRB) anunciou nesta quarta-feira que seu “Projeto Carnaval Rio 2018” bateu recorde orçamentário, graças a investimentos privados da ordem de R$ 35 milhões, oriundos das empresas Uber e Dream Factory.

O presidente da Riotur, Marcelo Alves, que organiza o carnaval carioca, disse que o resultado mostra que a folia pode ser autossustentável, e garantiu que será “o maior carnaval de todos os tempos”.

“É fruto de um trabalho árduo e conjunto entre as esferas do poder público e a iniciativa privada. Nossa missão de garantir que o espetáculo seja apresentado ao redor do mundo, diminuindo o investimento público e atraindo a atenção de patrocinadores para o potencial mercadológico da festa, está surtindo o efeito esperado”, afirmou o presidente da Riotur.

Alves afirmou ainda que até o Carnaval, em fevereiro de 2018, a Riotur vai buscar outros investimentos para a festa. Os R$ 35 milhões cobrirão custos operacionais do carnaval de rua, como o fechamento de vias e o serviço de limpeza, os desfiles das escolas de samba na Avenida Intendente Magalhães, os blocos de embalo e enredo, e os palcos e bailes populares que a prefeitura organiza.

“O investimento será destinado a melhorias estruturais e de ordenamento, incluindo segurança, fiscalização, operação de trânsito, comunicação visual, postos médicos e banheiros químicos, além de cinco centros de videomonitoramento, instalados nas áreas de maior circulação”, informou a Riotur.

Lei Rouanet

Uma parte também vai entrar na verba que é destinada anualmente a escolas do Grupo Especial. Segundo a Riotur, as 13 agremiações irão receber um total R$ 19,5 milhões, e a Liga das Escolas de Samba (Liesa), R$ 27,5 milhões. Na terça-feira, 28, o Ministério da Cultura divulgou que vai destinar R$ 8 milhões para as 13 escolas, via Lei Rouanet. Os recursos são da Caixa Econômica Federal.

Em junho, a prefeitura anunciou que a subvenção passaria em 2018 de R$ 2 milhões para R$ 1 milhão por escola, o que gerou forte reação das agremiações. Houve ameaça de cancelamento do carnaval e acusações de que Crivella, que é bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd), que condena o carnaval, age contra a folia por razões ideológicas.

Em fevereiro deste ano, em seu primeiro carnaval como gestor da cidade, ele deixou de ir ao sambódromo, o que é uma tradição entre prefeitos cariocas, e compareceu ao torneio de tênis Rio Open.

As difíceis relações com a prefeitura e a penúria inspiraram a Mangueira, uma das mais tradicionais escolas do Rio. Seu enredo para 2018 se chama “Com dinheiro ou sem dinheiro, eu brinco”. A letra diz: “Se faltar fantasia, alegria há de sobrar/Bate na lata pro povo sambar/Eu sou Mangueira, meu senhor, não me leve a mal/Pecado é não brincar o carnaval”.

A pouco mais de 70 dias para os desfiles, nos bastidores da Cidade do Samba, onde são montadas alegorias e fantasias, o que se comenta é que 2018 será o carnaval mais pobre dos últimos tempos, uma vez que as verbas estão demorando mais do que o usual a serem repassadas. A crise dificulta aquisição de patrocínios privados.

No mês passado, a Liesa informou que cancelaria os ensaios técnicos da Marquês de Sapucaí, que servem de treino para os componentes, por falta de recursos para realizá-lo. Na ocasião, a Riotur explicou que não repassa verba especificamente para os ensaios, e, sim, um montante fechado, que é usado pelas da forma como elas definem.

 ODIANAFOLIA
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.