Campos, Niterói e Petrópolis aumentaram em mais de 20% o recebimento de ICMS

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

As cidades cariocas Campos dos Goytacazes, Niterói e Petrópolis tiveram desempenho positivo no recolhimento do Imposto sobre as Operações relativas à Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) em 2017. De acordo com dados divulgados no anuário Multi Cidades – Finanças dos Municípios do Brasil, da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), o incremento foi de mais de 20% nos municípios quando comparado a 2016.

A maior variação foi em Campos dos Goytacazes (RJ), que recolheu R$ 286 milhões de ICMS em 2017, valor 28,8% maior do que os R$ 221,9 milhões recebidos em 2016. Em Niterói (RJ) o incremento foi de 27,9%, com R$ 353,5 milhões recolhidos em 2017. Já Petrópolis (RJ) aumentou em 22,2% a arrecadação do imposto, somando R$ 190,2 milhões contra os R$ 155,7 milhões de 2016.

Também aumentaram seus recebimentos as capitais Belo Horizonte (MG), que teve alta de 5,1% no período analisado e passou de R$ 958,4 milhões em 2016 para R$ 1 bilhão em 2017; e São Paulo (SP), que teve aumento um pouco menos expressivo: 0,3%, passando de R$ 6,92 bilhões para R$ 6,94 bilhões.

Na outra ponta da tabela, a capital Vitória (ES) foi a cidade analisada pelo anuário que mais reduziu seu recebimento de ICMS no período analisado. A queda foi de 11,8% e o município recolheu R$ 280,1 milhões em 2017 contra os R$ 317,5 milhões em 2016. No Rio de Janeiro (RJ) queda de 3,4% e o total recolhido relativo ao imposto foi de R$ 2,25 bilhões em 2017.

Outras recessões foram sentidas em São Bernardo do Campo (SP), Santos (SP) e Volta Redonda (RJ). As quedas no recolhimento de ICMS foram de 9,6%, 6,5% e 5,9%, respectivamente, no período analisado. 

Em sua 14ª edição, a publicação utiliza como base números da Secretaria do Tesouro Nacional (STN) e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apresentando uma análise do comportamento dos principais itens da receita e despesa municipal, tais como ISS, IPTU, ICMS, FPM, despesas com pessoal, investimento, dívida, saúde, educação e outros.

O Multi Cidades – Finanças dos Municípios do Brasil (Ano 14 – 2019) foi viabilizado com o apoio de Alphaville Urbanismo, APP 99, BRB, Comunitas, Guarupass, Hauwei, MRV, prefeitura de Cariacica/ES, prefeitura de Guarulhos/SP, prefeitura de Ribeirão Preto/SP, prefeitura de São Caetano do Sul/SP, Sabesp, Saesa e Sanasa.

Ranking – Os maiores recebimentos de ICMS do Sudeste:

Fonte: Multi Cidades – Finanças dos Municípios do Brasil, publicação da Frente Nacional de Prefeitos (FNP)

Brasil: após três anos de queda, ICMS teve leve recuperação

Mesmo diante da instabilidade política do Brasil e de um cenário incerto sobre o crescimento econômico, as transferências da quota-parte do ICMS do conjunto dos municípios do país apresentaram leve recuperação em 2017 – os repasses atingiram R$ 106,47 milhões, valor 2,6% maior do que o registrado no ano anterior.

Apesar do resultado positivo em relação a 2016, os valores se igualaram ao observado em 2011, ou seja, caíram ao patamar de sete anos atrás. “A leve recuperação da economia em 2017, com o PIB nacional positivo em 1%, marcou o primeiro momento de alta do ICMS nos últimos três anos e isso beneficiou os recursos transferidos para pequenos municípios em detrimento das grandes cidades, especialmente das capitais estaduais, que continuam perdendo participação na distribuição do ICMS”, pontuou Tania Villela, economista e editora do anuário.

Nesse contexto, 19 das 26 capitais acusaram quedas em suas participações na distribuição do ICMS entre 2016 e 2017. Apenas cinco delas registraram aumento, sendo que no Acre e no Amazonas todos os municípios tiveram seus índices congelados por legislação estadual.

“Essa redução nas capitais é reflexo do processo de desconcentração da atividade econômica, já que indústrias e centros de distribuição e logística estão rumando para municípios do interior e levando consigo o ICMS que será transferido pelos governos estaduais”, ressaltou a economista.  Num período mais longo de comparação, das 26 capitais estaduais apenas Aracaju, Boa Vista e Campo Grande conseguiram manter, em 2017, seus índices de participação no ICMS no mesmo nível dos registrados ao longo dos últimos dez anos.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.