A campanha “16 dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher” começou na segunda-feira (26.11) em Petrópolis, e a edição desde ano tem o objetivo de focar no público escolar. As palestras de conscientização serão realizadas em várias unidades escolares do município, ministradas pela equipe do Centro de Referência de Atendimento à Mulher (CRAM), subordinado ao Gabinete da Cidadania. A finalidade é mobilizar o público jovem para o fim da violência contra mulher e reforçar as ações de proteção.

Nas escolas as palestras acontecem na segunda-feira (03.12), às 10h, na Escola Municipal Abelardo De Lamare, no Caxambu e às 19h no Liceu Municipal Carlos Chagas Filho, na Av. Barão do Rio Branco. Na terça-feira (04.12) às 14h, é o dia da Escola São João Batista, no Duarte da Silveira e na quarta-feira (05.12) às 13h na Escola São Judas Tadeu, na Mosela. E ainda em um encontro especial, na segunda-feira (17.11) a equipe do CRAM fará uma palestra dedicada aos pais e responsáveis na Escola Municipal Abelardo De Lamare.

“Estamos focando nas escolas com o objetivo de conscientizar os jovens. Precisamos mobilizar a todos, pois esta violência precisa acabar. As palestras dão sempre um resultado positivo, pois acaba virando uma roda de conversa. Já fizemos muitas palestras onde a vítima se sentiu acolhida e nos pediu ajuda. Esta campanha é muito importante para todo o mundo”, destacou a coordenadora do CRAM, Cleo de Marco.

Dentro da programação, na sexta-feira (30.11), acontece, às 10h, na Casa dos Conselhos uma palestra com a Assistente Social da Equipe Técnica da Gerência de Saúde da Mulher, da cidade do Rio de Janeiro, Márcia Soares, sobre a Sala Lilás, que faz parte do projeto RioSolidário, da Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar (COEM) do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ). A sala lilás é um local reservado para o atendimento de mulheres que foram vítimas de violência física e sexual, onde são atendidas de forma mais humanizada e acolhedora. O espaço funciona dentro do Instituto Médico Legal (IML), onde são realizados exames periciais com equipe multidisciplinar. O objetivo é que as vítimas se sintam preservadas e mais à vontade para falar sobre a violência sofrida. A sala já foi instalada em Campo Grande e em Niterói.

“Conscientização e informação são as únicas formas de terminar com qualquer tipo de violência. Precisamos da participação de todos nessa luta da igualdade do direito das mulheres”, pontuou a coordenadora do Gabinete da Cidadania, Anna Maria Rattes.

Mais de 160 países já aderiram à Campanha que teve sua primeira edição em 1991 e em 2003 no Brasil. As ações acontecem simultaneamente com a participação do poder público e da sociedade civil em prol da conscientização pelo fim da violência de gênero. O intuito é chamar a atenção da sociedade para os fatores que naturalizaram a agressão das mulheres, em especial, por companheiros, pais e parentes próximos. Além disso, mobilizar e conscientizar a população para que denuncie todos os tipos de violência praticados contra meninas e mulheres no Brasil e no mundo. A Campanha começou no dia 25 de novembro – Dia Internacional da Não Violência contra a Mulher, e vai até 10 de dezembro –  Dia Internacional dos Direitos Humanos.