De acordo com um morador que mora no km 79 da BR-040, nas proximidades do aterro de lixo da Comdep, no Bingen, o mau cheiro que exala pela região está cada dia pior. Com o calor, o odor é mais forte e as residências próximas ficam completamente contaminadas com o cheiro forte. Mesmo mantendo as janelas e portas fechadas, o cheiro consegue entrar nos lares prejudicando a saúde de várias famílias.

-“Pra fazer as refeições está complicado com esta catinga, não sei porque, mas sempre durante a noite o fedor é pior“, diz um morador indignado com a situação que passa sua família.

Os moradores da região afirmam ainda que o chorume do lixo está sendo jogado no córrego que passa dentro da comunidade. A água dos córregos abastece as residências desta comunidade e há receio de contaminação do lençol freático que passa embaixo do lixo. Moradores dizem ainda ter solicitado por diversas vezes ajuda aos órgãos responsáveis, mas ninguém apareceu para oferecer uma solução.

Uma outra moradora desabafa: “Não se aguenta nem ficar esperando o ônibus sem se ter ânsia de vômito por causa do cheiro. E quando chove é pior, porque o córrego fica com o fluxo de água maior e trás mais detritos ainda”.

Além do odor contínuo e a possibilidade de contaminação da água, está havendo ainda a proliferação de ratos, consequentemente de cobras, baratas e moscas que estão invadindo as residências.

Em nota, a Prefeitura informa que a empresa que faz o transporte do lixo está adotando medidas para acelerar o processo de transferência do aterro para Três Rios. “A empresa responsável pelo transporte do lixo (PDCA), informou à Comdep, que está adotando medidas para acelerar o processo de transporte do lixo para o aterro de Três Rios”, diz a nota.

Sobre o mau cheiro, ela esclarece que a geração de lixo domiciliar, que teve aumento no mês de dezembro, associado ao aumento de calor neste período, acelera o processo de decomposição, culminando na proliferação do odor. “A questão do odor ocorre por causa do aumento da geração de lixo domiciliar em dezembro, que aumentou em média quase de 50% na coleta diária a partir do dia 15. A variação climática (mudança de chuva e calor intenso em pouco tempo), também acelera o processo de evaporação da água da chuva e decomposição do lixo”, explica a Prefeitura.

Já em relação ao chorume e a possibilidade de contaminação do lençol freático, a Prefeitura explicou que o lixo acondicionado no lixão é rapidamente levado para o aterro de Três Rios e fica pouco tempo no local não permitindo a formação de chorume. -“O lixo levado para o transbordo é rapidamente colocado em carretas para o transporte até o aterro de Três Rios, o que não permite a formação de chorume no local. As condições do solo são monitoradas por testes, que apontam que não há contaminação do lençol freático na área do transbordo“, explica a Prefeitura através da sua Assessoria de Comunicação.

Além disso, a área está passando por obras de impermeabilização do solo, contenção de encosta, entre outras intervenções, o que vai permitir que a operação de transbordo seja feita ainda mais rápida“, enfatiza a Prefeitura.

Crédito da foto: Reprodução de Vídeo / Intertv