CABO FRIO: Ministério da Saúde muda medicação para tratamento da tuberculose Remédio deve chegar em maio à rede pública e pesquisa será desenvolvida pela Universidade Federal do Espírito Santo

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Para garantir maior adesão de pacientes ao tratamento da tuberculose, o Ministério da Saúde vai financiar uma pesquisa para adotar novo medicamento para tratar a doença. A nova apresentação do remédio Isoniazida, de 300mg, permitiria a redução de comprimidos e aumentaria a aderência à terapia. A estimativa é de que as pílulas cheguem em maio à rede pública. O estudo será desenvolvido pela Universidade Federal do Espírito Santo com apoio de pesquisadores externos nos estados do Espírito Santo, Santa Catarina, Paraná, São Paulo e no Distrito Federal.

Para a enfermeira Veleida Imbiriba, coordenadora dos Programas de Tuberculose e Hanseníase de Cabo Frio, a adesão total do paciente à terapia completa, que dura seis meses, seria o mais importante com a mudança no protocolo de tratamento. Segundo ela, são altas as taxas de retratamento devido ao abandono e ainda tem havido aumento no número de casos pelo país.

“Atualmente, a medicação de ataque que é feita nos dois primeiros meses de tratamento já traz uma melhora significativa para o paciente, mas não promove a cura. No entanto, ao ver um quadro melhor, o paciente tende a abandonar a terapia, ainda que receba todas as orientações na consulta de triagem. Por conta do abandono, o índice de retratamento é alto e mais difícil. Então, com a mudança na medicação a nossa expectativa é de que a adesão ao tratamento completo aumente e aí sim o paciente estará curado”, avaliou a enfermeira.

De acordo com o órgão federal, a distribuição vai começar pelos estados participantes da pesquisa. Para isso, a pasta adquiriu 5 mil caixas do produto, que correspondem a 2,5 milhões de comprimidos. O objetivo “é conhecer o processo de utilização do medicamento, bem como sua oferta em tempo oportuno pelos serviços de saúde”.

Conscientização para fazer o tratamento completo
No Dia Mundial de Combate à Tuberculose, celebrado no último sábado (24), o Ministério da Saúde lançou a campanha “Tuberculose tem cura. Todos juntos contra a tuberculose”. A proposta é incentivar a adesão à terapia e reduzir a taxa de abandono.

Segundo o órgão, o Brasil conseguiu atingir as Metas dos Objetivos do Milênio (ODM) de combate à tuberculose com três anos de antecedência, mas em 2015 aderiu ao compromisso global de redução de 95% dos óbitos e 90% do coeficiente de incidência da doença até 2035.

Índices nacionais
Fonte: Ministério da Saúde

Em 2017 foram registrados 69,5 mil casos novos e 13.347 casos de retratamento (abandono ao tratamento) de tuberculose no Brasil. O coeficiente de incidência da doença foi de 33,5/100 mil habitantes e os estados com maior proporção de retratamentos foram Rio Grande do Sul (23,3%), Rondônia (19,9%) e Paraíba (19,5%).

O percentual de cura de casos novos foi de 73%, maior do que se comparado ao ano de 2015 (71.9%). Os estados do Acre (84,2%), São Paulo (81,6%) e Amapá (81,7%) alcançaram os maiores percentuais de cura no mesmo ano.

Em 2016 foram registrados 4.426 óbitos por tuberculose, resultando em um coeficiente de mortalidade igual a 2,1 óbitos/100 mil habitantes. Este índice apresentou queda média anual de 2% de 2007 a 2016. Em relação ao abandono, o percentual foi de 10,3%, duas vezes acima da meta preconizada pela Organização Mundial da Saúde (<5,0%).

Erradicação da tuberculose
Fonte: Ministério da Saúde

No ano passado, o Ministério da Saúde lançou o Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose como Problema de Saúde Pública, que ratifica o compromisso com a Organização Mundial de Saúde (OMS) de reduzir a incidência da doença na população mundial, que hoje é de aproximadamente 100 casos para cada 100 mil habitantes.

A meta é chegar, até o ano de 2035, a menos de 10 casos por 100 mil habitantes. Juntamente com a redução da incidência, o Brasil também assume o compromisso de reduzir o coeficiente de mortalidade para menos de 1 óbito por 100 mil habitantes

Fonte: Prefeitura de Cabo Frio

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.