Butantan encaminha à Anvisa pedido para testar soro anti-Covid em humanos

A autorização irá permitir que o soro seja aplicado em pessoas contaminadas pela doença e, depois, que se descubra qual a dose necessária para obter os efeitos desejados.

O Butantan enviou à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) um pedido de autorização para poder realizar um estudo clínico do soro anticoronavírus, desenvolvido pelo instituto desde o ano passado a partir do plasma de cavalos.

O soro tem o objetivo de amenizar os sintomas da doença nas pessoas já infectadas. Ele não tem capacidade de prevenir e nem curar a doença. O estudo é coordenado pelos médicos Esper Kallás e José Medina, da Universidade de São Paulo (USP).

A autorização irá permitir que o soro seja aplicado em pessoas contaminadas pela doença e, depois, que se descubra qual a dose necessária para obter os efeitos desejados.

“A expectativa é a de que já na próxima semana a Anvisa possa autorizar o início desses testes.”

O vírus inativo não provoca danos aos cavalos nem se multiplica no organismo, mas estimula a produção de anticorpos. Os técnicos retiram o plasma do cavalo, que faz parte do sangue do animal, e levam para a sede do Butantan, na Zona Oeste de São Paulo. Os anticorpos são separados do plasma e se transformam em um soro anti-Covid. Os cavalos, além de ajudarem a produzir o soro, participaram dos testes.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

veja também