Brasileira pode ser a primeira mulher sul-americana a escalar a montanha mais perigosa do mundo

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Considerada por muitos a montanha mais perigosa do mundo, o K2 conta com 8.611 metros e é o segundo monte mais alto do planeta, perdendo apenas para o Everest. A combinação de perigosos fatores, como inclinação intensa, nevascas, paredões gigantescos, instabilidade climática e avalanches imprevisíveis, tornam a experiência emocionante e fatal. A cada quatro alpinistas que chegam ao topo do K2, um morre. 

Até hoje, apenas cerca de 300 pessoas conseguiram escalar a montanha até seu pico. Com o objetivo de ampliar este dado, a brasileira Karina Oliani, 37 anos, inicia sua escalada rumo ao cume do K2. Se conseguir completar o percurso, ela será a primeira mulher sul-americana a conquistar o feito.

Para a preparação, Oliani contou com treinos de escalada e fortalecimento muscular, além de aprimorar a mente. “O melhor jeito de se preparar para uma montanha, além dos exercícios, é saber que você já é uma pessoa experiente. As experiências já vividas nesses locais nos mostram o quanto estamos prontos. Eu senti que estou pronta! Gostaria de ter ido ano passado, mas peguei a Doença de Lyme e acabei tendo que adiar a expedição em um ano”, conta.

Médica ativista e apaixonada por esportes radicais, Karina Oliani possui um histórico impressionante de conquistas. Ela já subiu o Everest duas vezes, conquistando o título de primeira mulher sul-americana a escalar a montanha mais alta do mundo por suas duas faces. Também desafiou e conquistou outros três dos sete maiores cumes dos continentes, o Kilimanjaro, o Aconcágua e o Elbrus. Além de atravessar um vulcão em atividade, caçar tornados e a Aurora Boreal, Oliani ainda tem em seu currículo os títulos de bicampeã brasileira de wakeboard e snowboard.

Serão, em média, 43 dias para completar o percurso de subida e descida, que contará com diversas etapas. “Basicamente, nos primeiros 15 dias vou fazer um trekking e a aproximação entre Islamabad, que é a capital do Paquistão, e Concórdia, onde fica o acampamento base do K2. Chegando lá, descanso, me aclimato (processo de retomada do oxigênio por causa da altitude e da temperatura corporal necessária devido às temperaturas que chegam a quase 50 graus celsius negativos) e faço meu puja – a cerimônia de pedir permissão para começar a escalada na montanha. Após essa etapa, começo a fazer um ou dois ciclos de aclimatação de tempos em tempos. O terceiro ciclo será o que chamamos de ataque ao cume, ou seja, a subida final para alcançar o topo, que está prevista para iniciar no dia 18 de julho”, explica. A programação pode ser alterada devido às condições do tempo.

Sobre o fato de poucas mulheres já terem alcançado o ponto final do K2, Oliani afirma não se assustar. “Essa coisa de gênero não funciona pra mim. Existem homens e mulheres com muita técnica e força e todos têm as mesmas chances de chegar ao topo”, completa. A primeira mulher a conquistar o K2 foi a polonesa Wanda Rutkiewicz, em 1986. Agora, em 2019, Karina Oliani também quer ter seu nome marcado, mais uma vez, na história.

A equipe da expedição conta, ainda, com mais duas pessoas: um Sherpa, habitante das montanhas acostumado ao clima e às condições locais, que atua como auxiliar de atletas, e um segundo montanhista, Maximo Kausch, amigo de Karina e recordista mundial de ascensão de montanhas acima de seis mil metros.. 

Para acompanhar a jornada da brasileira, basta acessar o site www.karinaoliani.com.br

A expedição de Karina Oliani ao K2 conta com patrocínio de Volvo Cars, Pulsar Invest, John John, Outback Steakhouse e Gillette Venus, além do apoio de Canon, GoPro HERO7 Black, Saved by Spot, Puma e The North Face.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.