O Brasil conquistou o bicampeonato no Mundial por equipes neste domingo, em Moscou, na Rússia. A seleção comandada pelo capitão Alex Mingozzi desbancou a Itália, campeã em 2017, por 2 a 0, e levantou novamente o caneco, repetindo o título de 2013. A vitória foi uma revanche da final de 2017, na qual os italianos levaram a melhor sobre os brasileiros.

Em um jogo muito duro Rafaella Miiller e Joana Cortez venceram as italianas número 1 do mundo Federica Bacchetta e Giulia Gasparri por 6/2, 4/6 e 6/3, após 1h39 de batalha, e colocaram o Brasil em vantagem. Na sequência, Marcus Vinícius Ferreira e Thales Santos fizeram uma grande exibição e derrotaram Michele Cappelletti and Luca Carli, dupla que figura entre os 5 melhores do ranking, por duplo 6/4 em apenas 57 minutos de partida e garantiram a vitória e o título para o Brasil.

“É sempre muito difícil jogar contra eles – eles estão sempre mudando sua estratégia. Bacchetta é muito boa na quadra e muito forte mentalmente, então atacamos Gasparri durante a maior parte da partida. Tivemos muitas oportunidades em que nos concentramos na estratégia certa para vencer este jogo ”, afirmou Joana Cortez, que também esteve na campanha do título de 2013. “Eu amo jogar este evento. É diferente – eu sinto as pessoas no Brasil gritando por nós. Eu gosto muito de jogar com o time. O time é muito unido o que é importante para nós”, ressaltou.

A campanha até a decisão teve uma vitória por 3 a 0 sobre a Polônia, na estreia, um triunfo por 2 a 1 contra a Alemanha, nas quartas, e outra vitória por 2 a 1 sobre a França, na semi.

“Ainda não dá pra acreditar que vencemos esse Mundial. Mas pensando em tudo o que aconteceu, era pra ser. Depois do confronto com a Alemanha, que estava praticamente perdido, acho que nos deu muita confiança e muita vontade de ganhar. A equipe permaneceu unida, torcendo, e isso faz bastante diferença”, ressaltou Rafaella Miiller, que conquistou o título inédito. “Essa foi a primeira vez que ganhei o Mundial por equipes. E jogar representando o país é uma emoção maior. Você não joga só pra você, joga pra todo mundo. É uma sensação muito boa. Estou muito feliz de fazer parte dessa vitória e dessa conquista”, comemorou.

“Acho que todo o time sabia que algo especial viria. Todo mundo estava confiante, todos estavam realmente juntos e eu pude ver a vitória nos olhos de toda a minha equipe ”, completou Thales Santos. “Todas as pessoas estão esperando por nós para comemorar porque o Beach Tennis é realmente importante no Brasil. Estão realmente investindo muito no esporte – eles realmente acreditam que esse esporte pode ser enorme e eu estou muito feliz por isso”, comemorou.

Comandado pelo italiano Alex Mingozzi, ex-número 1 do mundo e referência no Beach Tennis Mundial, o time brasileiro foi representado por Rafaella Miiller, Joana Cortez, Marcela Vita, Thales Santos, Marcus Vinícius Ferreira e Vinícius Font.

“Estou muito feliz com essa conquista. Comecei a jogar Beach Tennis em 1994, tive uma carreira maravilhosa, ganhei todos os campeonatos possíveis várias vezes, mas esse título tem um sabor totalmente diferente. As emoções que experimentamos como equipe essa semana, nunca tinha experimentado antes”, revelou Mingozzi. “Fiquei muito feliz pela confiança da CBT, a responsabilidade era grande por eu ser estrangeiro, mas desde o início comecei a trabalhar para esse resultado”, contou.

“Eu sabia que poderia ajudar meus jogadores com algumas dicas, estratégia, tática e principalmente com o lado mental. Os atletas tiveram um desempenho espetacular, se doaram muito nos treinos e entraram em quadra sempre com 1000% de foco. Todos foram fenomenais”, destacou o italiano. “Pra mim, foi uma final com sabor diferente, contra a Itália. No preparamos bem, sabíamos o que estávamos enfrentando, uma equipe formada pelos melhores jogadores do mundo do ranking da ITF. Queria agradecer a todos os meus jogadores, que mereceram muito esse título e sinto que reescrevemos a história do esporte neste fim de semana”, finalizou.

Campeã do Mundial em 2013, a Seleção Brasileira bateu na trave em 2012, 2014 e 2017 — este último vice justamente contra a Itália — voltando ao posto mais alto do pódio neste ano com uma excelente atuação ao longo de todo o evento. O retorno ao topo também passou pela profissionalização do Departamento de Beach Tennis da CBT.

“A CBT, assim como em todos os Departamentos, profissionalizou o Departamento de Beach Tennis. Estamos investindo em todas as áreas, desde a preparação até a competição. Tivemos o treinamento preparatório da Seleção no Rio de Janeiro, além de custear as despesas de viagem à Rússia. Isso proporciona mais tranquilidade para os jogadores e técnicos, para se preocuparem apenas em jogar. O mérito é todo deles, juntamente com a comissão técnica e a coordenadora nacional de Beach Tennis”, enfatizou o presidente da CBT, Rafael Westrupp.

Desde o início do ano, a catarinense Larissa Boechat é a coordenadora do Departamento de Beach Tennis da CBT. “Ser campeão Mundial é uma conquista muito importante para o Beach Tennis brasileiro. Foi a consagração do trabalho que vem sendo feito durante esse ano no departamento de Beach Tennis da CBT, estamos mudando e desenvolvendo várias áreas”, explicou Larissa, que acompanhou a delegação brasileira em Moscou.

“Em relação à seleção brasileira, trouxemos o experiente Alex Mingozzi para comandar a equipe principal e fizemos vários treinos antes e durante o Mundial, e isso fez toda a diferença. Estamos muito orgulhosos do nosso time, houve superação nos momentos mais difíceis da competição e competência, garra e determinação para ganhar os confrontos”, destacou a coordenadora do Beach Tennis da CBT.

“Para a CBT é gratificante e motivo de muito orgulho estar fazendo parte dessa conquista pessoal de cada integrante da equipe e estar ajudando a escrever a história do Beach Tennis em nosso país. Parabéns aos campeões do mundo, estamos e estaremos sempre juntos deles”, concluiu Larissa.

Sub 14 fica em terceiro lugar
A equipe juvenil também fez uma excelente campanha no Mundial sub 14 e conquistou a terceira colocação. O time comandado pelo capitão Plácido Russo, o Juca, foi formado por Antônia Thompson, Giovanna Pedrini, Luana Nery, Giovanni Cariani, Augusto Russo e João Pedro Melo.

A seleção juvenil venceu a Espanha por 3 a 0, na estreia, e também derrotou a Estônia e a Rússia, pelo mesmo placar. Perdeu para o forte time da Itália, por 2 a 0, e ficou com o terceiro lugar após vitória sobre a Venezuela por 2 a 0.

Fonte: Confederação Brasileira de Tênis

Crédito da foto: Divulgação/CBT