Foto: Reprodução

Brasil abre primeira escola de fotografia para cegos

O curso terá clico de oito meses e incluirá oito módulos de ensino da fotografia, com oficinas, aulas, debates e imersão para os participantes
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

O Instituto Braille do Espírito Santo abriu primeiro curso de fotografia para pessoas cegas, no dia 25 de agosto, em Vitória. João Maia, o maior nome da fotografia feita por pessoas com deficiência visual no Brasil, e duas vezes fotógrafo oficial dos jogos paralímpicos, considera válido o projeto que formará, de uma vez só, 12 fotógrafos.

O curso terá clico de oito meses e incluirá oito módulos de ensino da fotografia, com oficinas, aulas, debates e imersão para os participantes. “O nosso objetivo é a transmissão do olhar e da poética de uma fotografia contemporânea para eles. A gente aposta nessa transmissão de uma poética visual para essas pessoas que nunca enxergaram imagens”, disse Rejane Arruda, idealizadora do projeto, presidente da Associação Sociedade Cultura e Arte (SOCA Brasil) e diretora do coletivo e da Escola de Fotógrafos Cegos (EFC).

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.