Batata inglesa sobe 72,63% e encarece a bacalhoada nesta Páscoa

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Segundo levantamento da Entidade, os preços dos chocolates aumentaram apenas 2,43%

O consumidor terá mais gastos com os preparativos para Páscoa neste ano, é o que mostra um levantamento realizado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), com base nos dados de fevereiro e março do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA-15), que apontou variação positiva de 4,18% no acumulado dos últimos 12 meses.

Na comparação com o mesmo período do ano passado, os itens para o preparo da bacalhoada puxam a alta. A batata inglesa obteve o maior reajuste – 72,63% – devido ao clima chuvoso do primeiro trimestre que prejudicou a safra. Em seguida estão o pimentão (31,63%), a cebola (20,71%) e o brócolis (13,55%).

Alternativa ao bacalhau, que é importado e está sujeito a variações cambiais, os peixes nacionais são ótimas pedidas. Os pescados nacionais, por exemplo, aumentaram 1,56%. Por isso, para quem quer economizar, a Federação recomenda substituir o bacalhau por outros peixes como pirarucu, abrótea, badejo, manjuba, merluza e traíra, que também estarão disponíveis com oferta mais abundante no período.

Os preços médios do chocolate em barra e do bombom ficaram abaixo da inflação – alta de 2,43% – enquanto o chocolate em pó subiu 3,09%. A FecomercioSP ressalta que o quilo do preço do ovo de Páscoa supera o valor do quilo de uma barra de chocolate, por exemplo, e por conta da antecipação do levantamento, pode haver variação até a data do feriado.

Por outro lado, os preços do alho (-1,68%), do sorvete (-1,22%), da cerveja (-0,79%) e da azeitona (-0,14%) apresentaram queda, na mesma base comparativa.

Sobre a FecomercioSP
A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) é a principal entidade sindical paulista dos setores de comércio e serviços. Congrega 136 sindicatos patronais e administra, no Estado, o Serviço Social do Comércio (Sesc) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac). A Entidade representa um segmento da economia que mobiliza mais de 1,8 milhão de atividades empresariais de todos os portes. Esse universo responde por cerca de 30% do PIB paulista – e quase 10% do PIB brasileiro –, gerando em torno de 10 milhões de empregos

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.