Um balão pode ter sido a causa de um incêndio florestal que durou três dias e consumiu uma área equivalente a 52 campos de futebol no Parque Nacional Serra dos Órgãos (Parnaso). Segundo o Corpo de Bombeiros, os focos começaram na parte alta da montanha, o que fundamenta as investigações. Também existem relatos de moradores da região sobre um balão ter sobrevoado o local no último domingo (01.04), dia em que começou a queimada. A Lei Federal 9.605 de 1998, que trata de crimes ambientais, proíbe a fabricação, a venda, o transporte e a soltura de balões que possam provocar queimadas em áreas de vegetação ou qualquer tipo de assentamento urbano. A pena é detenção de um a três anos ou pagamento de multa, ou ainda ambas as penas cumulativamente.

No ano passado, 11 pessoas foram presas pela Polícia Ambiental em todo o Estado do Rio pela prática. Também foram apreendidos 108 balões e mais de 1.805 materiais para fabricação como bandeiras, buchas, lanternas, fogos de artifício. Apesar de ser considerado um evento de origem natural o incêndio florestal muitas vezes é causado pela ação direta do homem, seja por negligência ou intencionalmente. Os prejuízos ambientais causados pelas queimadas são diversos.

“Os incêndios florestais afetam o solo, o ar, as águas, os mananciais, a fauna e a flora, atingindo amplamente o ecossistema, o que fere frontalmente as leis ambientais do nosso país”, afirma o secretário de Meio Ambiente, Fred Procópio, ressaltando a importância do trabalho de educação ambiental realizado pela pasta na rede municipal de ensino desde o ano passado. O objetivo é reduzir o número de ocorrências atendidas em Petrópolis.

“A ideia é que as crianças e adolescentes disseminem a informação em casa, no seu bairro e com os amigos. É importante que a população saiba a importância de mantermos a área verde do nosso município. Com esse trabalho, a gente espera um futuro com menos ocorrências”, completa Fred.

Os moradores também podem entrar em contato com a Secretaria de Meio Ambiente, através dos telefones (24) 2233-8180 e (24) 98828-8633. O setor de fiscalização organiza um cronograma de visitas na cidade e também a partir de denúncias, fazendo vistorias em locais apontados pelos reclamantes. Desde janeiro de 2017, foram atendidas mais de 1.500 denúncias em toda a cidade.

Medidas de prevenção e autoproteção contra incêndios florestais

1) A melhor medida para prevenir um incêndio florestal é não atear fogo na vegetação nem realizar atividades na mata que possam causar um incêndio, tais como: fazer fogueira, cozinhar, etc.

2) Não soltar balões.

3) Apagar bem os cigarros e as guimbas e não atirá-los pela janela do carro.

4) Não deixar o lixo na mata nem garrafas ou objetos de vidro que possam provocar um incêndio.

5) Se morar em uma casa de campo ou mesmo na cidade perto de uma área florestal, conhecer as vias de escape existentes.

6) Em caso de incêndio florestal, ligar imediatamente para o Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro pelo telefone 193.

7) Se o fogo for pequeno e estiver no início, tente apagá-lo usando água ou terra sobre a base da chama.

8) Nunca jogue água na fiação ou nos cabos elétricos.

9) Mantenha-se em contato permanente com os bombeiros e com os guarda-parques, seguindo sempre suas orientações.