Bairro de Vila Rica, em Pedro do Rio, realiza mostra de talentos

Iniciativa é apoiada por Acordo de Cooperação entre Secretaria Municipal de Saúde e Fiocruz Petrópolis

No próximo sábado, dia 31 de agosto, de 13h às 17h, o Posto de Saúde da Família e a comunidade de Vila Rica, em Pedro do Rio, promovem a 1ª. Feira de Talentos de Vila Rica, no pátio da igreja Santa Edwiges. O evento tem o objetivo de mostrar o que o bairro tem de melhor, feito pelas pessoas que ali vivem e convivem, além de promover maior integração entre os moradores. Serão cerca de 30 expositores, que apresentarão seus talentos em artesanato, culinária, hip-hop, passinho, ioga, zumba, capoeira, entre outros. A entrada é franca.

A mostra é fruto de um engajamento comunitário que vem acontecendo no bairro desde 2017, com apoio da Secretaria Municipal de Saúde – SMS e do Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde, unidade da Fiocruz em Petrópolis. O trabalho em parceria destas duas instituições está expresso em um acordo de cooperação que prevê ações continuadas e consecutivas para a promoção da saúde pública em territórios de atuação da Estratégia de Saúde da Família – ESF, em Petrópolis. A iniciativa teve início com diagnósticos rápidos participativos (DRP) de comunidades, envolvendo moradores e agentes comunitários de saúde.

Segundo Marina Rodrigues, pesquisadora social do Fórum Itaboraí, mais do que oferecer um retrato dos territórios estudados, esta metodologia contribuiu com a ressignificação do olhar e maior envolvimento dos profissionais de saúde com as condições de vida das populações que vivem naqueles lugares. “Este trabalho se desdobrou no fortalecimento e apoio orientado às equipes de saúde da família de oito territórios petropolitanos, sendo um deles Vila Rica, e estes profissionais vêm trabalhando na promoção da saúde integral, não apenas o olhar sobre a doença”, explica Marina. “E como parte fundamental deste trabalho está o estímulo à participação social, o engajamento comunitário para a constituição de Conselhos Locais de Saúde, que são espaços onde possam ser discutidas questões que vão além da dimensão da saúde propriamente, mas também outros problemas comunitários que afetam a qualidade de vida daquela população, como, por exemplo, questões de transporte, lazer, assistência social, cultura, segurança, entre outros. Porque isso é saúde”, acrescenta a pesquisadora, informando que a constituição de Conselhos Locais está prevista na Lei Municipal Nº 7.705, de 12/09/2018.

Atualmente, existe uma comissão no bairro formada por seis moradores e por toda equipe da Estratégia de Saúde da Família, que acreditam na participação social e têm trabalhado pelo fortalecimento dos laços comunitários em Vila Rica e na mobilização dos moradores para a constituição do Conselho Local de Saúde. Esta comissão se reúne mensalmente e foi deste grupo que surgiu a ideia da mostra de talentos. “Estávamos pensando em uma maneira de envolver mais gente, de divulgar melhor sobre a importância da comunidade participar, porque divisão já temos o bastante por aqui. Queremos ideias e propostas que possam nos unir, que foquem nas coisas boas que temos, mostrem o potencial positivo do bairro. E acreditamos que os nossos próprios talentos serão um chamariz para que possamos nos conhecer melhor”, conta animada a moradora Gisele Faria, que integra esta comissão e mora em Vila Rica há mais de 35 anos. “Será também uma oportunidade de dar uma força e visibilidade para o trabalho, os produtos de muitas pessoas que fazem coisas incríveis. Somos mais de quatro mil moradores e, eu mesma, que moro aqui desde que nasci, não conhecia vários talentos. O bairro tem um potencial enorme. E juntando estas pessoas poderemos falar sobre a importância do Conselho Local de Saúde, sobre como precisamos nos unir, participar e ajudar o bairro a se desenvolver”, complementa Gisele.

O garimpo dos talentos foi feito pelas agentes comunitárias de saúde, que, de casa em casa, foram identificando as aptidões e habilidades e inscrevendo os interessados. Ana Paula Lorete atua na microárea 4, umas das sete que compõe a Estratégia de Saúde da Família no bairro, e relata que foi um trabalho interessante e surpreendente mapear o que as pessoas têm de bom. “Encontramos pessoas que trabalham com reutilização de pneus para produção de móveis, pinturas de quadros, artesanato com tricô, crochê e costura, enfeites de cabelo, materiais para festas de aniversário, além de grupos de música e dança e também muitas opções de culinária. Alguns realizam estas atividades no tempo livre e, para outros, essas práticas são fonte principal de renda. Nos surpreendemos. A comunidade é muito diversa e talentosa”, conclui a agente de saúde.

Fórum Itaboraí – Fiocruz

Inaugurado em 18 de outubro de 2011, como um programa especial da Presidência da Fiocruz, o Palácio Itaboraí abriga o Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde. O Fórum é um espaço permanente de reflexão e geração de ideias, que tem como principal objetivo reunir intelectuais, cientistas, artistas, gestores e usuários de educação e saúde do Brasil e do estrangeiro, para gerar formulações de políticas e práticas tendentes a reduzir as desigualdades sociais na saúde. O Fórum também desenvolve ações comunitárias que permitam pôr em prática atividades inter e transetoriais. Entre essas práticas se destacam: o Programa de Biodiversidade e Saúde, cujos principais projetos são o Arranjo Produtivo Local – APL de Plantas Medicinais e a Trilha do Arboreto, uma trilha urbana de 808 metros, com um acervo de mais de 400 espécies de plantas vivas e identificadas, sendo a maior parte delas medicinais, que visam disseminar e resgatar os conhecimentos tradicionais e populares do cuidado na saúde; a Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí – OCPIT, um projeto sociocultural que visa oferecer a oportunidade de formação orquestral, humanista e profissionalizante a alunos da rede pública de ensino de Petrópolis; o desenvolvimento e aplicação de tecnologias sociais (como o Diagnóstico Rápido Participativo – DRP, o Teatro do Oprimido e a cartografia participativa) para o estudo participativo dos determinantes de saúde de territórios em Petrópolis e atuação articulada com outros setores, como o poder público e universidades, para o desenvolvimento local; incluem-se, ainda, a Biblioteca Livre do Palácio Itaboraí, com acervo focado nos Programas do Fórum e disponibilização de acesso a bibliotecas virtuais; atividades de apoio à capacitação tecnológica para trabalhadores de saúde; a investigação-ação participativa no campo da promoção da saúde; debates culturais, projetos, eventos e exposições de artes e cultura, entre outras.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

veja também

Leave a Comment