Após a queda de uma barreira atingir os fundos da E. M. Oswaldo Costa Frias, na Posse, na última quinta-feira (08.03) a Defesa Civil interditou o imóvel. Desde então, as aulas da unidade escolar estão suspensas. Agora, a Secretaria de Educação está cumprindo trâmites legais para que os alunos sejam atendidos, temporariamente, no Ciep Gabriela Mistral, na Posse. O assunto norteou uma reunião entre a Secretaria de Educação e os pais e responsáveis pelos alunos realizada nessa segunda-feira (12.03) na Praça CEU.

A barreira derrubou a grade de uma das janelas da cozinha. No entanto, a terra não invadiu o espaço que é utilizado pelas crianças, mas, por medida de precaução, os alunos não voltarão a ter aulas no espaço enquanto a Defesa Civil não desinterditar o imóvel. A EM Oswaldo Costa Frias atende 178 alunos, matriculados do 3º período da educação infantil até o 5º ano do ensino fundamental.

Faremos também, a reposição das aulas, quando tudo estiver acertado. É uma situação provisória e, por isso, agradecemos o apoio a compreensão da comunidade”, disse a secretária de Educação interina, Samea Ázara.

O transporte dos alunos – a maioria mora nas imediações da EM Oswaldo Costa Frias, na Rua Nossa Senhora de Fátima – será garantido pela Secretaria de Educação. “O transporte será feito pela Secretaria de Educação. Estamos ajustando os horários de atendimento de cada turma segundo a disponibilidade do Ciep, sempre pensando no conforto das crianças. Assim que tivermos a data do retorno às aulas, comunicaremos à comunidade através da equipe gestora da unidade escolar. Vale destacar que os alunos utilizarão o espaço do Ciep, mas todos os funcionários da nossa escola continuarão à frente do atendimento. O Estado só vai ceder provisoriamente o espaço”, contou Samea.

Mãe do Gabriel, de 8 anos, aluno do 2º ano do ensino fundamental, Diviane Ramos, ficou mais calma ao saber que o filho não terá prejuízo no rendimento escolar. “A segurança de todos eles deve estar em primeiro lugar, por isso, agradeço a Secretaria de Educação por ter feito essa reunião e ter explicado a situação. A preocupação maior era com relação à perda de aulas, mas, sabendo que eles continuarão o atendimento em outro espaço, fico mais tranquila. Outra preocupação era com relação ao transporte. É um alívio saber que eles também terão segurança nesse deslocamento”, disse.

Ana Maria Teixeira, avó da Emily, de 10 anos, aluna do 5º ano do ensino fundamental, ficou feliz em saber que a equipe da escola está unida nesse momento difícil. “É importante não perder esse carinho que eles têm com os alunos. Eles mudarão de espaço, temporariamente, mas continuarão juntos, isso é muito bom para eles”.

Fonte: Prefeitura de Petrópolis