A Audiência Pública sobre o processo seletivo dos agentes comunitários de saúde e de endemias reuniu cerca de 100 pessoas, na noite de terça-feira, na Câmara Municipal. No encontro, convocado pelo vereador professor Leandro Azevedo, a Secretaria de Saúde alegou que uma decisão judicial suspendendo o chamamento dos aprovados esta impedindo as contratações. O órgão teria recebido a notificação apenas no mês de agosto.

Além do assessor jurídico da Secretaria de Saúde, Luiz David Assumpção, participaram do encontro os vereadores Reinaldo Meirelles e Luizinho Sorriso, assim como representantes da Associação Petropolitana dos Agentes Comunitários de Saúde – Apacs.

Agora, a intenção é tentar uma reunião com os desembargadores no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, para mostrar as necessidades da cidade e conseguir que revejam a decisão. Para isso, será formada uma comissão, liderada por Leandro Azevedo e integrada por concursados não convocados e representantes do Governo Municipal.

“A ideia é tentar a modalidade de “amicus curiae”, com o objetivo de mostrar aos juízes a importância dessas contratações, tanto para os concursados quanto para a própria população, pois muitos bairros da cidade estão descobertos dos serviços”

O processo seletivo aconteceu em março do ano passado para a contratação de 74 novos agentes comunitários de saúde e 10 agentes de endemias, ou seja, um total de 84 contratações. Destes, apenas dez foram chamados no último mês de agosto e já estão trabalhando. O concurso tem validade de dois anos, prorrogável por igual período.

“Já está comprovado que o trabalho de prevenção é mais barato do que o tratamento e a população precisa ser assistida. Existe um déficit de profissionais e essa situação ainda é agravada porque muitos agentes de saúde tiveram suas funções desviadas e trabalham, inclusive, como recepcionistas nos respectivos postos”, frisa Azevedo.