Nesta sexta-feira (9), ocorreu um ataque duplo com bombas a uma mesquita em Benghazi, na Líbia, deixando, pelo menos, 2 mortes e mais de 50 pessoas feridas. As explosões foram causadas por dois aparelhos aparentemente improvisados durante as orações do dia na mesquita Saad Ben Obadah, e ainda não há indicações de sua autoria.

O atentado ocorre semanas depois de outro ataque com carro-bomba a uma mesquita na mesma cidade, do qual resultaram pelo menos 22 mortes.

Guerra em Benghazi

Benghazi é a segunda maior cidade da Líbia e foi um dos principais palcos da Revolução Líbia, uma onda de movimentações populares em luta pela democracia e pelos direitos humanos no país. A cidade é dominada por forças do marechal Khalifa Hafter, hostil ao governo de Trípoli (capital do país), desde 2017 e hoje é desolada por constantes combates entre grupos extremistas.

O conflito na região já dura anos e diversos atentados recentes têm tido como alvos pessoas ligadas às Forças Armadas da Líbia, lideradas por Khalifa Hafter. Desde Dezembro, o grupo impôs o controle militar sobre a cidade e sobre outras áreas do leste da Líbia sob seu poder.

A guerra em Benghazi reflete o conflito nacional entre governos aliados a forças militares opostas, que ocorre desde 2014 e é consequência de um outro conflito mais amplo, iniciado após a deposição e assassinato do ex-primeiro ministro da Líbia Muammar Gaddafi em 2011.

Fonte: Al Jazeera News