Arrecadação de ICMS de 2018 em Petrópolis é R$ 103,9 milhões maior que em 2016

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Em ISS, ICMS, IPTU e taxas municipais, Petrópolis arrecadou R$ 127,3 milhões a mais

Petrópolis, em 2018, arrecadou R$ 103,9 milhões a mais do que em 2016 em ICMS, Imposto Sobre Circulação de Mercadorias. O número demonstra A retomada da economia da cidade. Em dois anos o município atraiu mais investimentos em construção civil, turismo e cervejaria; incentivou as empresas já existentes a permanecerem ativas e estimulou o comércio.

O ICMS é o melhor termômetro para medir a retomada da economia, mas entre outros tributos como ISS, IPTU e taxas municipais o resultado também é expressivo. Com os quatro principais somados são R$ 424,1 milhões em 2018 contra R$ 296,7 milhões que significam R$ 127,3 milhões a mais – 43,24%.

De acordo com a Prefeitura, o somatório de ações e uma fiscalização atenuada sobre os repasses do Estado a Petrópolis resultaram em R$ 254,5 milhões em 2018 apenas em ICMS. O número é 69,1% maior do que em 2016, quando foram recolhidos R$ 150,5 milhões.

“O aumento da arrecadação é importante para sanear as contas públicas e também fazer a cidade avançar. Mas, uma arrecadação maior não significa que podemos desapertar o cinto. Ele precisa continuar apertado, com gastos controlados e contingenciamento. Só assim vamos manter dívidas sendo pagas e programas que atendem à população avançando”, afirma o prefeito Bernardo Rossi.

O resultado positivo na arrecadação de ICMS, segundo a Secretaria de Fazenda, é decorrente do monitorando a arrecadação e cruzamento das informações das Declans (Declaração Base para Calcular o Índice de Participação dos Municípios (IPM) no ICMS. A fiscalização é feita mês a mês e em caso de divergência é pedida retificação da declaração.

“É um somatório de esforços com a Fazenda atuante na fiscalização. Um novo sistema, informatizado, que estamos implantando, vai dar a possibilidade de cruzamento automático de informações. Isso vai possibilitar mais agilidade na conferência dos repasses”, afirma a secretária de Fazenda, Elaine Nascimento.

Arrecadação cresce também em ISS, taxas municipais e IPTU

O somatório de ICMS, IPTU, ISS e taxas municipais reflete um aumento ainda maior de arrecadação: são R$ 127, 3 milhões a mais do que em 2016.

Juntos, em 2018, IPTU, ISS e Taxas municipais tiveram um aumento de 15,9%. Os tributos somaram no ano passado R$ 169,5 milhões – um aumento de R$ 23,3 milhões sobre os valores arrecadados em 2016, que foi de R$ 146,2 milhões.

A arrecadação de IPTU, por exemplo, passou de R$ 65,6 milhões em 2016, para R$ 79,6 milhões no ano passado – um aumento de R$ 13,9 milhões (21,34%).

Já o ISS – maior fonte própria de arrecadação do município – registra um aumento de 11,91%, o que significa R$ 9,2 milhões a mais – uma vez que a arrecadação subiu de R$ 77,2 milhões em 2016, para R$ 86,4 milhões em 2018.

“Petrópolis depende muito de aumentar e manter no alto a arrecadação para sanear suas contas. As últimas gestões, por falta de um planejamento consistente e de ações práticas como as que implementamos, fizeram com que a administração pública abrisse um rombo de quase R$ 800 milhões. Isto comprometeu a capacidade de investimentos públicos e com mais arrecadação temos a chance de colocar a casa em ordem e poder avançar”, analisa Bernardo Rossi.

20% de redução de gastos em todas as secretarias

Uma maior arrecadação não significa para o governo afrouxar e gastar sem controle. O prefeito Bernardo Rossi, por decreto, estabeleceu contingenciamento de 20% do orçamento de cada pasta. As exceções são os serviços essenciais à população como Saúde, Defesa Civil e Educação.

Com contas aprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), em primeiro lugar em ranking do Ministério Público das cidades com mais de 100 mil habitantes que cumprem a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), Petrópolis quer manter as contas controladas.

“Com R$ 685 milhões em dívidas ainda a serem pagas e com o compromisso de fazer a cidade avançar, não podemos deixar os gastos se tornarem maiores. É tempo de manter o cinto apertado”, afirma o prefeito Bernardo Rossi lembrando que o rombo nas contas municipais, quando assumiu, era de R$ 766 milhões.

Na prática, as secretarias estão reduzindo gastos de combustível, otimizando o uso da frota, renegociando contratos e economizando. Os programas essenciais à população e os investimentos, no entanto, estão mantidos.

Fonte: Prefeitura de Petrópolis

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.