Aquilo que turista não vê

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Os desmontes nas políticas públicas de Cultura fazem parte da prática do governo Bernardo Rossi. Desde o início não foram poucos os ataques ao segmento: a extinção da Fundação de Cultura e Turismo de Petrópolis, o não cumprimento da lei do Fundo Municipal de Cultura, e consequente fim dos projetos financiados pelo mesmo, o desrespeito com as deliberações do conselho municipal e o desleixo com patrimônios históricos: como o Centro de Cultural Raul de Leoni e com obras do tamanho do Painel de Djanira. É claro que tanta incompetência e má fé também atingiriam artistas e produtores!

Vítimas de constantes calotes, evento após o evento, os trabalhadores e as trabalhadoras da Cultura acumulam promessas e repasses de responsabilidades. Tudo começou com a gestão passada do tal Instituto Municipal de Cultura e Esportes – nome fantasia para uma secretaria municipal emparelhada, corrupta e burocratizada – que em eventos tradicionais como Bauernfest, Serra Serata, Natal Imperial, entre outras ações, contratava apresentações artísticas quase sempre de forma ilegal, não cumprindo os pagamentos. Leonardo Randolfo, ex-secretário e showman, usou e abusou da estrutura pública para interesse próprio, fato que o faz ser inquirido na CPI do Natal Imperial na Câmara Municipal de Petrópolis. Enquanto a atual gestão, que já chegou inviabilizando o Carnaval, joga a culpa no passado fingindo que ninguém ali participou dos fatos investigados.

Triste é saber que tais acontecimentos não chegam ao conhecimento dos turistas, ou até mesmo de muitos petropolitanos, sendo todos ofuscados pelas luzes superfaturadas que enfeitavam palcos e barracas reaproveitadas, porém inúmeras vezes pagas, nas festas tradicionais que deveriam trazer receitas extras e não tantas despesas irreais aos cofres públicos.

Infelizmente, por mais que a imprensa divulgue constantemente os calotes contra os artistas, tais problemas se juntam às documentações falsas nas contratações da Cultura, às praças esvaziadas por choques de ordem na cidade da corrupção e das ruas esburacadas, às mentiras de um governo inoperante e à crise política que o time Bernardo Rossi causam para Petrópolis. Espero que o petropolitano aprenda a lição: a direita almofadinha olha com desdém os artistas populares, assim como faz com professores, servidores, moradores de bairros afastados e todos aqueles que não fazem parte de seus negócios. Fora Rossi!

Yuri Moura 
Professor, Gestor Público e 3º colocado nas eleições para prefeito de Petrópolis

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.