O apresentador e deputado estadual (PRB/RJ) Wagner Montes morreu neste sábado (26/1), aos 64 anos. Ele estava internado há dois dias tratando de uma infecção urinária. Em novembro de 2018, ele já havia sofrido um infarto. A causa da morte não foi divulgada.

Wagner era casado com a também apresentadora Sonia Lima. Foi um advogado, jornalista e apresentador de rádio e televisão e político brasileiro filiado ao PRB. Era deputado Federal do Rio de Janeiro e foi presidente em exercício da Alerj. Desde 2003 apresenta os programas jornalísticos populares da RecordTV Rio.

Começou sua carreira na rede Tupi, primeiro como repórter policial na Super Rádio Tupi do Rio de Janeiro. Foi contratado por Silvio Santos para trabalhar na TVS, emissora que estava inaugurando (mais tarde mudaria o nome para SBT), onde permaneceu por 17 anos.

No SBT participou de programas como O Povo na TV, Jornal Policial, Clube dos Artistas, Musicamp e Musidisc, além de ter sido jurado do Show de Calouros.

Também trabalhou nas rádios Rádio Record e Rádio América em São Paulo, e na Rádio Manchete, no Rio. Em junho de 1997 foi contratado pela Rede CNT, onde comandou os programas 190 Urgente, Na Boca do Povo e Em Cima do Fato. Na mesma emissora, por algum tempo, comandou o Programa Wagner Montes. Na CNT lançou ainda o programa “Novo Talentos” que ia ao ar todo sábado, dando oportunidades a novos artistas.

Em 2003 foi para a RecordTV Rio. Apresentou os programas jornalísticos locais Verdade do Povo, Cidade Alerta Rio, RJ no Ar e, finalmente, o Balanço Geral – sendo o primeiro apresentador da versão carioca, antes do noticiário se tornar uma marca nacional da Rede Record, com versões na maioria dos estados do país. No comando do Balanço, Wagner deixou a Record do Rio de Janeiro na liderança de audiência na hora do almoço, obrigando os concorrentes, inclusive a TV Globo Rio, a mudar o tom da cobertura jornalística local; antes fria, passou a ser mais popular.