Apneia do sono aumento risco de glaucoma, aponta estudo

Risco está associado à falta de oxigênio nas células do nervo óptico durante os episódios de obstrução respiratória.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Roncar pode até parecer normal, mas não é! O ronco pode estar associado à apneia obstrutiva do sono (AOS). Trata-se de uma condição caracterizada pela obstrução intermitente das vias aéreas superiores durante o sono.

Nessas pausas da respiração, que podem durar até 2 minutos, o organismo entra em hipóxia, ou seja, falta oxigênio para as células, incluindo para as do nervo óptico.

Segundo um estudo publicado no periódico Ophthalmology, pacientes com apneia do sono têm um risco de 1,67 maior de desenvolver o glaucoma nos 5 anos após o diagnóstico. Nesses casos, o mais comum é o de pressão normal, um dos tipos de glaucoma de ângulo aberto.

Cegueira irreversível

Segundo a oftalmologista Dra. Maria Beatriz Guerios, especialista em glaucoma, o glaucoma é o termo geral que se usa para nomear as doenças que causam danos no nervo óptico. “Esses danos são irreversíveis. Portanto, quando há falta de oxigênio, as células nervosas morrem. Com o tempo e sem tratamento, a consequência é a perda definitiva da visão”.

“Frequentemente, a falta de oxigênio (hipoxemia) causada pela apneia do sono costuma ser grave. O resultado é um aumento da resistência vascular com influência direta na morte das células do nervo óptico. Além do glaucoma, a apneia do sono pode estar associada a outras doenças oculares”, explica Dra. Maria Beatriz.

Dados de estudos epidemiológicos indicam que a prevalência da apneia do sono pode variar de 2% a 20% da população em geral. Normalmente, os homens são mais afetados do que as mulheres. Há algumas comorbidades que aumentam ainda mais o risco, como obesidade, diabetes e doenças cardiovasculares.

Diagnóstico e Tratamento

O grande problema do glaucoma é que não há sinais ou sintomas nas fases iniciais. “Isso quer dizer que quando o paciente percebe alguma mudança no seu campo visual, a doença já está em uma fase mais avançada. Nesses casos, o tratamento visa impedir a progressão dos danos no nervo óptico”, diz a especialista.

Um dos agravantes é que no caso do glaucoma de pressão normal, como o próprio nome diz, não há alteração nos valores da pressão intraocular (PIO), considerada o principal fator de risco do glaucoma.

“Portanto, a doença pode passar despercebida nas consultas oftalmológicas, caso o oftalmologista não faça outros exames, como o de fundo de olho e não leve em consideração o histórico médico do paciente”, alerta Dra. Maria Beatriz.

Por isso, é altamente recomendado que pacientes com histórico de apneia do sono, obesidade, doenças cardiovasculares e diabetes, por exemplo, façam um acompanhamento regular com um oftalmologista, de acordo com a médica.

O tratamento mais comum para o glaucoma de pressão normal é o uso de colírios. Há outras opções, dependendo da gravidade do quadro, como as cirurgias a laser.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.