Anvisa aprova uso emergencial de medicamentos contra a Covid-19

Os medicamentos são casirivimabe e indevimabe, e já foram aprovados em outros países ao redor do Mundo para o tratamento de contaminados pela Covid-19.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária ( Anvisa ) aprovou na manhã desta terça-feira (20) o uso emergencial de um coquetel de dois medicamentos – casirivimabe e imdevimabe – contra a Covid-19. A utilização será realizada em pacientes de “alto risco” e que apresentem comorbidades como diabetes, obesidade, idade avançada e estado ambulatorial.


O estudo apresentado mostra que a junção dos dois medicamentos reduziu em 70,4% o tempo de internação dos pacientes e de mortes em pacientes ambulatoriais sintomáticos. As drogas casirivimabe e imdevimabe são chamados de ‘anticorpos monoclonais’ e costumam ser utilizados para tratar câncer e doenças autoimunes.


Meiruze Freitas, relatora e diretora da Anvisa, ponderou que a agência não está autorizando o uso para a prevenção do novo coronavírus, mas sim para atenuar os sintomas daqueles que já foram acometidos pela doença. Outro ponto levantado é a imunização . Aqueles que forem medicados com o coquetel devem aguardar 90 dias para receber a vacina.


De acordo com Gustavo Mendes, gerente da Gerência Geral de Medicamentos e Produtos Biológicos da Anvisa, “o uso reduziu a carga viral, o que é uma achado importante. O perfil de segurança também foi bem aceitado”. O profissional explica que os dois medicamentos se acoplam na coroa do vírus, impedindo a sua entrada nas células e se multipliquem no corpo do paciente.


Segundo a Anvisa, mesmo sem dados clínicos da avaliação em novas variantes detectadas no país, os benefícios superam os riscos. Novos relatórios e balanços do coquetel serão atualizados conforme os estudos avançarem.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

veja também

Alerj discutirá saúde dos petroleiros

Durante o encontro, também serão discutidos os movimentos de privatização das estatais, pelos governos federal e estadual, e a desindustrialização no Estado do Rio de Janeiros e seus impactos.