Marcello Casal Jr/Agência Brasi

Anatel nega intervenção na operadora de telefonia Oi

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Por Luciano Nascimento – Repórter da Agência Brasil

O presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Leonardo de Morais, disse, hoje (16), por meio de nota, que a agência descarta realizar qualquer tipo de intervenção na Oi, empresa que passa por recuperação judicial. A afirmação foi feita após divulgação de reportagem publicada pelo jornal Estado de São Paulo, afirmando que a agência, responsável por regular o setor, está estudando uma intervenção na empresa em razão da piora nos seus resultados. De acordo com a nota, a agência acredita em uma “solução de mercado” para a situação da empresa.

Na reportagem, o Estadão diz que os recentes resultados financeiros da companhia preocupam o governo e que a agência pode “ser obrigada a intervir na empresa” caso não reverta os resultados “no curto prazo”. A matéria também fala em decretar a caducidade das outorgas para a Oi operar a telefonia fixa, o chamado Sistema de Telefônico Fixo Comutado (STFC).

“Não se atestam as informações veiculadas na data de hoje, em matéria publicada pelo jornal Estado de São Paulo, concernentes à possibilidade iminente de decretação de intervenção ou de aplicação de caducidade às concessões de telefonia fixa do Grupo Oi S/A”, disse Morais.

A Oi é uma das maiores prestadoras de serviços de telecomunicações, telefonia fixa e móvel, banda larga e televisão por assinatura, no Brasil.  Ela também está entre as maiores provedoras de infraestrutura do setor.

Desde 2014, a agência acompanha a situação econômico-financeira da Oi. Na nota, Morais lembra que o processo de recuperação judicial da Oi, passou a se dar também no âmbito do Judiciário, pelo Juízo da 7ª Vara Empresarial da Comarca do Rio de Janeiro, a partir de junho de 2016.

Em 2017, os credores da Oi aprovaram a recuperação judicial e renegociação das dívidas da empresa, que acumulava dívida de R$ 65 bilhões. Pelo plano, a operadora se comprometeu a investir mais recursos na melhoria e ampliação dos serviços.

Entretanto, nesta semana, a Oi divulgou balanço do segundo trimestre, no qual registrou prejuízo de R$ 1,559 bilhão. A empresa registrou uma queda de 8,2% nas receitas e de 5,4% no número de assinantes. A empresa apresentou aumento do endividamento de 25,5%, ficando em R$ 12,5 bilhões).

Este ano, de acordo com o plano, a empresa prevê investimentos de R$ 7,5 bilhões, valor similar ao previsto para 2020, especialmente na ampliação dos serviços sobre fibra óptica, como forma de recuperar o prejuízo.

“Para o regulador setorial, por força de suas competências legais, têm primazia a efetiva preservação e a continuidade dos referidos serviços. Nesse contexto, uma solução de mercado definitiva é o cenário preferencial para a evolução positiva da situação do Grupo, diante de sua aderência ao modelo regulatório vigente”, diz a nota.

Segundo a nota, outras soluções, como intervenção e/ou decretação da caducidade das outorgas “são excepcionais e ultima ratio”. “Dependem não apenas do atendimento das hipóteses previstas em Lei, mas também de se mostrarem, ante a análise de conveniência e oportunidade, instrumentos hábeis a alcançar posição mais segura e favorável ao interesse público”, diz a nota assinada pelo presidente da Anatel.  

Fonte: Agência Brasil

Crédito da foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasi

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.