Aluna com paralisia cerebral cria versão da história dos Três Porquinhos para a política de Defesa Civil nas Escolas

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Uma versão da história infantil dos Três Porquinhos com foco na prevenção de desastres de origem natural, trabalhando as ameaças de deslizamento de terra e vendaval. Foi dessa maneira que Roberta Ferreira da Costa, aluna da E.M. Paulo Freire, desenvolveu uma atividade dentro da política pública de Defesa Civil nas Escolas. A estudante possui paralisia cerebral, o que compromete o movimento do corpo e a fala, mas que não tira o sorriso do rosto e nem diminui a criatividade dela em sala de aula. Com a ajuda da professora, Roberta escreveu o texto digitando com os pés em um notebook. O exercício foi o primeiro de toda a rede municipal de ensino entregue para os responsáveis do programa.

“A Roberta nos ensina mais do que Defesa Civil nas Escolas, mais do que resiliência contra os desastres, ela nos dá uma verdadeira lição de vida e de superação. Ela vai se tornar um espelho para os outros alunos da rede no desenvolvimento das atividades da nossa política pública”, afirma o prefeito Bernardo Rossi.

A unidade escolar já estava desenvolvendo uma série de atividades com o tema dos Três Porquinhos com os 127 alunos atendidos. A ideia de integrar o tema a política pública de Defesa Civil nas Escolas surgiu com a professora Simone Guimarães, responsável pela turma da Roberta. Na sala dela são oito estudantes: cada um com uma deficiência diferente, mas todos eles conseguem ter autonomia no desenvolvimento dos trabalhos.

“A turma da Roberta é a mais avançada. São alunos mais independentes, que conseguem desenvolver melhor as atividades. A gente já trabalhava com eles a história dos Três Porquinhos, mas quando paramos para pensar, o tema possui uma relação direta com a Defesa Civil. A partir da história, procuramos explicar sobre as construções irregulares e como elas são perigosas”, explica Simone, que também é a elemento focal da unidade, sendo a responsável pela realização das atividades da Lei Municipal Defesa Civil nas Escolas na instituição.

“Falamos também sobre questões ambientais, como o corte irregular de árvore e o desperdício de água. É muito gratificante acompanhar o desenvolvimento de cada um dos nosso alunos. Acho muito importante que aprendam sobre Defesa Civil e percepção de riscos, trazendo para eles uma nova realidade e uma oportunidade de aprenderem sobre a cidade em que vivem”, disse a professora, que ajuda Roberta em sala de aula e na digitação das palavras, contando que a história demorou três dias para ser escrita.

Neste ano foram realizadas 170 atividades dentro da política pública de Defesa Civil nas Escolas. Além das 103 unidades escolares da rede municipal, participaram outras oito particulares e uma estadual, de forma voluntária. Foram 86 trabalhos sobre deslizamento de terra, 63 de inundação, 12 de tempestade de raios, seis de vendaval e outros três de rolamento de blocos rochosos.  A aplicação da Lei Municipal em sala de aula é um passo importante no desenvolvimento de uma cultura de resiliência na cidade, com a orientação das crianças sobre como se comportar em caso de ocorrências.

“Cumprimos a lei, estabelecendo o início de uma nova realidade para o nosso município. Acreditamos que a política pública vai trazer diversos benefícios para o futuro da nossa cidade”, afirma o secretário de Defesa Civil e Ações Voluntarias, coronel Paulo Renato Vaz, agradecendo a todos os órgãos envolvidos no desenvolvimento do Defesa Civil nas Escolas.

“Quero agradecer a todos que acreditaram nessa empreitada desde o início, o prefeito Bernardo Rossi pela confiança, os vereadores, o SEPE e o COMED pelo apoio, assim como as Secretarias de Educação, Meio Ambiente e minha equipe da Defesa Civil, os elementos focais das escolas mas, principalmente, as crianças, razão de todo esse trabalho, que deram um espetáculo à parte com suas atividades”, disse o secretário.

Município recebe prêmio em campanha nacional de redução de risco de desastres pelo Defesa Civil nas Escolas

O Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) vai premiar a prefeitura pela inserção dos temas Defesa Civil e Educação Ambiental nas escolas da rede municipal de ensino. A instituição vai entregar um pluviômetro semiautomático e um kit educativo para serem usados dentro da política pública, inédita no país. A contemplação acontece dentro da campanha nacional #EducarParaPrevenir, criado pelo órgão nacional para as melhores atividades do país focadas em ERRD – Educação em Redução de Riscos de Desastres.

O Cemaden busca premiar os projetos que tem como foco a prevenção de desastres, se propondo a desenvolver estratégias conjuntas entre o sistema educativo e o de proteção e defesa civil. O projeto utiliza critério pedagógico na construção de conhecimentos e na formulação de planos de contingência junto com as escolas.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.