Foto: Alerj

Alerj vota nesta terça-feira veto a projeto sobre venda de armas a agentes da Segurança Pública

O projeto de lei foi aprovado no dia 15 de setembro, e vetado pelo governador em exercício, Cláudio Castro (PSC), no último dia 8, sob a justificativa da medida ser um "vício de iniciativa", argumentando que se trata de uma iniciativa reservada ao Poder Executivo.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Deputados da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) devem derrubar, nesta terça-feira (20/10), o veto ao projeto de lei 2.998/20, que permite ao governo do estado vender armas, por meio da alienação onerosa, para agentes da Segurança Pública.

A inclusão na pauta foi uma resposta do presidente, André Ceciliano (PT), ao pedido feito pelo deputado Bruno Dauaire (PSC) na sessão plenária da última terça-feira (13). Este será o único veto a ser analisado pelos parlamentares na semana.

“O projeto é legítimo e nem gera custos, já que o próprio agente pagará pela própria arma. Vamos buscar a derrubada do veto por entender que a proposta é primordial para a segurança do policial fora de serviço”, afirmou Dauaire, um dos 23 autores da proposta.

O projeto de lei foi aprovado no dia 15 de setembro, e vetado pelo governador em exercício, Cláudio Castro (PSC), no último dia 8, sob a justificativa da medida ser um “vício de iniciativa”, argumentando que se trata de uma iniciativa reservada ao Poder Executivo.

Segundo o texto, os agentes ganham a opção de comprar a arma que lhes foram fornecidas para uso em serviço. A norma contempla policiais civis e militares, bombeiros militares e agentes penitenciários e do Degase mesmo nas folgas e férias, e, ainda, quando levados à inatividade ou aposentadoria.

“A sanção da lei é importante para garantir mais proteção aos policiais da ativa e aposentados, questão de justiça permitir o acesso ao armamento num valor justo ao que vão pagar”, defende o deputado Marcus Vinícius (PTB), coautor da proposta.

O valor da arma deverá ser o mesmo da compra por parte do estado, e o Poder Executivo deverá garantir o parcelamento da alienação, obedecendo o teto da margem de consignação a que faz jus o servidor, descontados mensalmente em seu contracheque.  Os servidores serão proibidos de revender as armas por cinco anos após a data do registro em seu nome.

Caso os deputados derrubem o veto, a lei será promulgada pelo presidente André Ceciliano (PT), e publicadas no Diário Oficial do Legislativo.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.