Foto: Reprodução / Alerj

Alerj convida Giro Serra para participar da Comissão de Acompanhamento dos Desdobramentos da Tragédia

O Giro Serra recebeu o convite do Dep. Rodrigo Amorim (PSL), que preside a Comissão, para representar a sociedade e a imprensa nas audiências.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Foto: Luiz Echevarrieta / Giro Serra

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), reuniu um grande grupo de representantes, de diversos órgãos públicos, inclusive da sociedade civil, nesta terça-feira (29), em primeira sessão da Comissão de Acompanhamento dos Desdobramentos da Tragédia de Petrópolis.

O Giro Serra recebeu o convite do Dep. Rodrigo Amorim (PSL), que preside a Comissão, para representar a sociedade e a imprensa nas audiências.

Compareceram na reunião o prefeito de Petrópolis Rubens Bomtempo (PSB) e o Ten. Cel. BM. Gil Kempers Vieira, secretário de Defesa Civil Municipal. O presidente da Câmara Municipal, Hingo Hammes (PSD), também esteve presente. Pelo lado do governo estadual, estiveram presentes o Cel. Gileno de Lima, da CBA II – Comando de Bombeiros de Área 2 – Região Serrana (CBMERJ), representando o Cel. Leandro Monteiro; o Subsecretario Estadual de Relações Institucionais da Casa Civil, Adilson Faria; o Subsecretário Estadual de Obras – Seinfra, Pedro Henrique de Oliveira Ramos; o Subsecretário Estadual de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos, Matheus Quintal; a Defensora Pública e Coordenadora Regional do 8º núcleo da Defensoria Pública, Luciana de Almeida Lemos, e o Diretor de Recuperação Ambiental do Instituto Estadual do Meio Ambiente (Inea), Daniel Moraes de Albuquerque. Representando a sociedade civil, Daniela Jorge Souza, presidente da Associação de Moradores do Meio da Serra; Marcelo Valverde Xavier, Presidente do Conselho Municipal de Economia Popular Solidária de Petrópolis; Alessandro Marques, sócio-diretor do Portal Giro e Felipe Teixeira, repórter do Giro Serra.

Foto: Luiz Echevarrieta / Giro Serra

Também integram a comissão, como membros efetivos, os parlamentares: Dep. Marcus Vinicios (PTB), Relator da Comissão Especial, Dep. Monica Francisco (Psol), vice-presidente da Comissão Especial, Dep. Sergio Fernandes (PDT), Dep. Adriana Balthazar (Novo) e Dep. Waldeck Carneiro (PSB).

O objetivo da Comissão Especial é acompanhar e fiscalizar os desdobramentos da tragédia de Petrópolis. Nesta terça foi realizada a primeira audiência pública.

O presidente da Comissão Especial, Dep. Rodrigo Amorim (PSL), abriu os trabalhos destacando a presença da sociedade civil e a imprensa: Seguindo a lógica, Deputado Bomtempo (sic), fazendo um apanhado preliminar, na última audiência nós decidimos que ouviríamos os agentes envolvidos, inclusive destacar aqui a presença da sociedade civil de Petrópolis, destacar a presença da imprensa também da cidade de Petrópolis. Eles compondo a mesa e para o uso da palavra também”.

O presidente da Câmara Municipal, Hingo Hammes, disse que vai trabalhar para propor soluções para recuperação da cidade. Vamos trabalhar não apenas na fiscalização e acompanhamento das ações de resposta e para a reconstrução de áreas afetadas, mas também na proposição de soluções, visando tornar Petrópolis mais segura”, disse Hingo em uma publicação nas redes sociais após a participação na reunião.

Logo após a abertura da Comissão, o prefeito Rubens Bomtempo enfatizou a importância da união entre os poderes para conseguir recuperar Petrópolis. “Eu acho que Petrópolis está no coração de todos, todas as vossas excelências, de todos vocês que estão aqui. E somente com muita união, com muito trabalho, sobretudo com muito respeito entre os entes federados, entre os poderes constituídos, é que nós vamos conseguir devolver paz, tranquilidade e segurança pro povo petropolitano”.

Rubens Bomtempo – Foto: Luiz Echevarrieta / Giro Serra

Bomtempo também alertou sobre as condições geológicas em que se encontra a Cidade Imperial, e destacou sobre as mudanças climáticas. “Sabendo que a gente precisa fazer este debate com muita seriedade, sabendo que existe uma realidade geológica no nosso município que foi exposta, a geologia do nosso município, as mudanças climáticas, e a gente precisa ter esta responsabilidade como homens e mulheres que trabalhamos na vida pública, a gente tem que falar a verdade e em momento algum abri mão de poder nos posicionar em relação naquilo que a gente acha que ocorre”.

O prefeito também enfatizou a importância da Defesa Civil, correlacionando a sua história com a do Corpo de Bombeiros. “A gente tem que ter coragem de dizer isso, que o sistema de Defesa Civil, ele passou a ter uma importância nos seus municípios, que afinal de contas não tinha nada. O Corpo de Bombeiros já foi um dia municipalizado, nós sabemos disso na história do Corpo de Bombeiros. E é mais uma atribuição que os municípios passam a ter, ter que assumir, porque o Corpo de Bombeiros não pode ser onipresente. E Vossas Excelências aqui sabem do que estou falando, o que tem pedido de prefeito para instalação de Corpo de Bombeiros em todo o Estado do Rio de Janeiro, e o Corpo de Bombeiros não tem recurso, não tem demanda, aliás…, não tem recurso, não tem orçamento para isso, não é verdade? E aí o município tem que ocupar esse espaço.”

Transmissão da Comissão pela TV Alerj – Foto: Luiz Echevarrieta / Giro Serra

Felipe Teixeira enfatizou a representatividade do Giro Serra na região e falou dos relatos de moradores e comerciantes em visitas realizadas nos bairros. “Eu rodei todos os bairros fazendo reportagens, mostrando como estão os bairros”.

A questão da AgeRio [Agência Estadual de Fomento], que até o momento poucos comerciantes de Petrópolis foram contemplados”, enfatizou Felipe ao abordar o tema das linhas de crédito emergencial oferecidas para os empresários e empreendedores de Petrópolis.

Ele ainda abordou a situação difícil que os moradores que tiveram suas casas afetadas e não estão conseguindo obter o benefício do Aluguel Social. Sobre a questão do Aluguel social, muitas imobiliárias não estão aceitando. […] Muitas imobiliárias não estão aceitando [se referindo ao contrato a ser firmado com os proprietários de imóveis], então tem gente indo morar em Magé, em Areal, em Três Rios, saindo da Cidade Imperial”.

Uma das falas mais impressionantes e emocionantes do dia foi da Daniela Jorge Souza, presidente da Associação de Moradores do Meio da Serra. A chuva do dia 20 foi pesada. Teve uma família que perdeu tudo no dia 15, só ficou com a roupa do corpo. Conseguimos uma geladeira, uma televisão velha e estávamos conseguindo as coisas. Veio a chuva do dia 20 e ela perdeu a geladeira e a TV. Até o material para fazer um muro de contenção foi perdido. […] Nesse meio tempo sem transporte público, vários empresários ameaçaram os funcionários que moravam lá embaixo e não tinham como subir para trabalhar. Como andar do Meio da Serra até o Alto da Serra?”, disse Daniela.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.