Carine Roos, CEO e fundadora da Newa. Crédito: Israel Pinheiro/Divulgação

Acolhimento materno no mercado de trabalho é um desafio que vai além das campanhas de dia das mães

Políticas de inclusão ainda são desafios para as organizações
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Trilhar a maternidade não é uma escolha fácil, ainda mais com os preconceitos que permeiam a sociedade e, principalmente, o universo corporativo. É o que mostra uma pesquisa realizada pela Catho, site de classificados de empregos, que diz que 30% das mulheres deixam o mercado de trabalho para se dedicarem ao cuidado com os filhos, enquanto apenas 7% dos homens fazem o mesmo. Da mesma forma, um estudo realizado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) aponta que 50% das mães não retornam aos seus postos de trabalho ao final do período de licença-maternidade.

Estes dados demonstram que, cada vez mais, é preciso manter um olhar atento e de acolhimento para as mães e famílias. “Naturalmente, as mulheres lidam com uma sobrecarga invisível, porque as pessoas não se dão conta do tanto que elas fazem, seja nas rotinas de trabalho, do cuidado com a casa ou com os filhos”, aponta Carine Roos, CEO e fundadora da Newa, consultoria de diversidade, inclusão e saúde emocional para as organizações.

Para a especialista, mais do que intensificar as campanhas sobre acolhimento materno, as empresas precisam ampliar o seu olhar sobre políticas de inclusão, a fim de proporcionar ingressos e retornos dignos às colaboradoras. “O mês das mães sempre reforça a ideia de valorização da figura materna. Mas, e fora das datas comemorativas, estamos de fato incluindo mulheres mães em nossas políticas internas empresariais?”, questiona.

Conforme a CEO, o caminho para a igualdade de gênero ainda é longo e passa pela construção de uma cultura organizacional que tenha como princípios o diálogo e a escuta sensível das necessidades de suas pessoas colaboradoras. “Hoje, felizmente, algumas empresas já começaram a construir ambientes psicologicamente seguros para que mães tenham vez e voz dentro das organizações, e para que possam mostrar ao mundo que um filho não faz da mulher um ser menos profissional”, finaliza.

SOBRE A NEWA:

A Newa é uma empresa de impacto social que atua no desenvolvimento de organizações baseadas na construção do diálogo, na colaboração e no respeito. A startup valoriza as diferenças e age em prol da diversidade e do bem-estar genuíno. Desde a sua fundação, a Newa atua no desenvolvimento de lideranças compassivas, que atuem na construção de ambientes mais inclusivos e psicologicamente seguros a partir do florescimento humano. A empresa aposta em lideranças focadas no coletivo, na colaboração, na abundância e compaixão, valores que considera essenciais para a construção de uma sociedade mais justa e com mais equidade.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.