Provavelmente você já dever ter visto seu nome pelas redes sociais, ou a imagem marcante de uma garota de cabeça raspada, muitos, sem entender bem o que ela representa. Emma Gonzáles, é uma adolescente de 18 anos que se transformou a uma das se não a principal voz da luta contra a cultura armamentista nos EUA.

No dia 14 de fevereiro deste ano, quando o atentado na escola em Parkland, Florida,  chocou o mundo, o ativismo de Emma se tornou para alguns o ponto de partida para uma luta sem precedentes. Apos o luto uma serie de protestos tomaram as ruas de Fort Lauderdale.

Emma emocionou o mundo com um discurso poderoso e forte que falava sobre a dor de se perder amigos sem poder ajuda-los e de como se enojou com a justificativa do Presidente Trump sobre preservar os direitos do porte de armas. Suas palavras ecoaram por todos os lugares, que sem ao menos tentar, ela se tornou a principal ativista dos últimos temos sobre o assunto.

Em novo discurso feito no ultimo sábado (24), Emma foi tão impactante quanto no primeiro, o vídeo durou pouco mais que 6 min, tempo em que o a tirador da escola em Parkland precisou para tirara vida de 17 de seus amigos. Ela já estampou capas de revistas e vem escrevendo cartas pedindo para que as leis sejam mais rígidas em relação a compra/porte de armas.

Hoje, Emma é a porta-voz de um movimento que ganhou o nome de “Never Again” – em tradução livre, Nunca Mais. E se engana quem pensa que ela só se tornou militante dessas causas devida a tragedia que abateu-se sobre seu colégio. Emma sempre apoiou uma organização não governamental chamada de Sierra Club que é dedicada a proteção do meio ambiente, alem disso, ela é presidente da aliança Gay-Hétero da escola e membro ativo da comunidade LGBTQ+.

Sua cabeça raspada agora é sua marca registrada!

Sobre o Movimento #NeverAgain.

Muitos dos cidadãos norte americanos acreditam que o movimento é contra o fim de acesso as armas para o cidadão comum, o que não possível nem se eles quisessem, já que esse direito constitucional é garantido no país.

E que na verdade os jovens de Parkland e muitos outros jovens americanos e da varias partes do mundo realmente querem é uma fiscalização e controle na distribuição dessas armas, dificultando de certa forma o acesso do publico em geral que não tem preparo algum para portal tal arma. Uma das principais ideias defendias por eles, é o teste psicológico, que confirma que o portador tem estabilidade emocional diante desse porte concedido a ele.

Emma e outros ainda terão muito o que dizer sobre esse assunto… alguns irão lutar ao seu lado, outros contra ela… o que nos resta é torcer que para que Ela seja ouvida para que não seja derramado mais sangue inocente.