Foto: Divulgação

A partir do comércio de rua, projeto vai resgatar histórias de Petrópolis em vídeo

Série de curtas "Petrópolis sob as lentes da tradição", idealizada pela jornalista Carolina Freitas, faz nostalgia caminhar lado a lado com a modernidade

A história de Petrópolis é bem conhecida: primeira Cidade Imperial das Américas, paixão de Dom Pedro I e berço de Dom Pedro II, além de palco de momentos importantes da história do país. Mas desde a sua fundação, em 1843, a antiga Fazenda do Córrego Seco se transformou na segunda maior cidade do interior do Rio de Janeiro e muitas outras histórias passaram a ser vividas. Esse passado menos distante começou a ser revivido em 2018, através do olhar da jornalista Carolina Freitas, que iniciou uma série de reportagens sobre o antigo comércio de rua. 

As memórias sobre lojas tradicionais se desdobravam não apenas sobre o comércio, mas também sobre a vida, o convívio entre as pessoas e, em muitos casos, o resgate de uma cidade que já não existe mais. Com rico acervo sobre a história de Petrópolis dos últimos 50 anos, o projeto já virou livro: “Petrópolis: o comércio de ontem, a saudade de hoje”, de autoria de Carolina, e agora ganha uma nova etapa: a série de curtas-metragens: “Petrópolis sobas lentes da tradição”.

Os curtas serão publicados no site http://petropolisoblentes.com.br e no canal do Youtube do Petrópolis Sob Lentes a cada três semanas. No site, já estão disponíveis todas as reportagens publicadas pelo jornal Tribuna de Petrópolis. No total, foram mais de 100 matérias que contaram a história da cidade com esse olhar nostálgico.

“O ‘Petrópolis sob as lentes da tradição’ é um desdobramento do projeto iniciado em 2018. Durante a pandemia me senti na obrigação de proporcionar alguma ação que valorizasse o comércio tradicional ativo e os comerciantes que há décadas escrevem sua própria história, enquanto contribuem intimamente para a trajetória do município. É um projeto que tem me forçado a sair da zona de conforto e a tentar coisas novas. Fora que é muito emocionante registrar a história assim”, disse a jornalista.

Para esta nova etapa, ela conta que está colocando a mão na massa, em um trabalho praticamente artesanal. “Faço de tudo: dos roteiros às entrevistas, gravações com meu próprio celular e edição. Percebi que se dependesse de equipamentos profissionais, a ideia teria que ser adiada pela falta de verba, então optei por me render à empreitada com o que tinha em mãos”, disse.

O primeiro episódio da série de curta-metragens conta a história do conhecido senhor Lino, da Relojoaria Ângelo. Tradicional em Petrópolis, o estabelecimento vai completar 65 anos em 2021, sob o comando da mesma família – uma história de preservação do passado no presente. As badaladas do curta-metragem representam claramente o ofício do comerciante. 

O curta já pode ser visto pelo link do canal do Petrópolis Sob Lentes no Youtube: (https://cutt.ly/rhF0qMq). “Não poderia ter dado início à série em um local melhor. O Petrópolis Sob Lentes pretende refletir o ontem através das lentes de hoje, fazendo com que a nostalgia caminhe lado a lado com a modernidade, usando a tecnologia a nosso favor para preservar a memória e tornar isso possível”, afirmou a jornalista.

O sucesso e a relevância da iniciativa de Carolina Freitas podem ser medidas de diversas formas. Em três anos, o site “Petrópolis Sob Lentes” não só conquistou mais de 48 mil visitas como foi agraciado com o prêmio Maestro Guerra-Peixe de Cultura 2020. A série de reportagens também foi eternizada no livro lançado no início do ano e a jovem jornalista também conquistou em 2019 o prêmio Alcindo Roberto Gomes de Jornalismo, concedido pela Academia Petropolitana de Letras (APL).

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

veja também