A neurociência pode ajudar no tratamento dos transtornos depressivos

O estudo sobre o tema foi realizado com apoio da Logos University International, liderado pelo Dr. Fabiano de Abreu e pelo neuropsiquiatra Dr. Francis Moreira da Silveira.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

A neurociência é a parte da ciência que estuda o sistema nervoso, principalmente o cérebro. Entender o sistema nervoso humano e suas limitações, é uma chave crucial para melhor tratar transtornos como a depressão. “O cérebro doente desenvolve um corpo doente e um corpo doente desenvolve um cérebro fraco em todos os aspectos”, explica o neurocientista, PhD e biólogo Dr. Fabiano de Abreu.

Atualmente, a depressão tem sido considerada o grande mal que afeta a sociedade civil. A Organização Mundial da Saúde (OMS), aponta que, no mundo todo, cerca de 350 milhões de pessoas convivem com a depressão. “Essa doença está classificada entre as doenças degenerativas que desenvolvem mortes prematuras”, afirma o Dr. Fabiano de Abreu.

A depressão é caracterizada por uma aflição orgânica, psicológica, ambiental e espiritual. É uma espécie de angústia que impacta diretamente no humor e é seguida por perda de interesse, de prazer e alegria na vida. “Com a angústia e a aflição, a pessoa desenvolve dores físicas e psicológicas, gerando um ciclo de sofrimento tão intenso que parece não ter fim”, relata o especialista.

Fabiano alerta ainda para os conceitos pré-concebidos sobre a doença. “O paciente depressivo é, muitas vezes, visto como um preguiçoso ou acomodado pelas pessoas que estão próximas a eles. Ou seja, ao invés de receber socorro, recebem mais uma dificuldade para driblar”. É importante ressaltar que, sem o devido tratamento e atenção médica de qualidade, os pacientes apresentam recaídas e um ciclo de euforia e retorno do quadro depressivo até pior do que o anterior.

Por isso, compreender os aspectos neurobiológicos dos transtornos mentais são importantes para a aproximação da neurociência e da psiquiatria. “Ainda é necessário avançar em tratamentos melhores, mais rápidos e eficientes”, opina o neurocientista. Estudos de terapia como a EDMR, que estimula o cérebro a processar memórias perturbadoras, estão ganhando espaço no tratamento para alívio dos sintomas. “Vários aspectos estão sendo compreendidos pelos clínicos e cientistas, permitindo uma melhor compreensão do estado crítico nos transtornos de humor e abrindo caminhos para a busca de técnicas mais eficazes de diagnóstico, tratamento, prevenção suicídio e eventuais sequelas cognitivas”. afirmou o neurocientista em estudo publicado pela Revista Multidisciplinar Ciência Latina, que atende todos os países latino-americanos.

O estudo sobre o tema foi realizado com apoio da Logos University International, liderado pelo Dr. Fabiano de Abreu e pelo neuropsiquiatra Dr. Francis Moreira da Silveira, além de contar com o auxílio do Dr. André Leandro K. Castanhede, Dr. Paulo Fernando Lopes Dias Alves e Margieli dos Reis Alves.

Sobre o Dr. Fabiano de Abreu

Fabiano de Abreu Rodrigues é PhD, neurocientista com formações também em neuropsicologia, biologia, história, antropologia, neurolinguística, neuroplasticidade, inteligência artificial, neurociência aplicada à aprendizagem, filosofia, jornalismo e formação profissional em nutrição clínica. Atualmente, é diretor do Centro de Pesquisas e Análises Heráclito; Chefe do Departamento de Ciências e Tecnologia da Logos University International e membro da Federação Européia de Neurociências e da Sociedade Brasileira e Portuguesa de Neurociências.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.