Foto: Reprodução Agência Brasil

A luta dos povos indígenas no Brasil e o resgate de sua ancestralidade

O Dia Nacional da Luta dos Povos Indígenas chama atenção da sociedade para valorizar os povos originários do país, sua história, lutas e memória
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

O dia 7 de fevereiro marca o Dia Nacional da Luta dos Povos Indígenas graças à Lei n° 11.696, de 2008. A data nos lembra sobre o falecimento, em 1756, do nativo guarani mbya Djekupe Aju, ou Sepé Tiaraju (nome aportuguesado), um dos líderes indígenas dos Sete Povos das Missões que liderou uma revolta contra espanhóis e portugueses e as determinações do Tratado de Madrid.

A data foi instituída pensando em dar visibilidade à luta cotidiana em defesa das causas dos povos originários. Mesmo após tanto tempo da morte do líder nativo, a luta pelo direito à terra, o reconhecimento e respeito de suas culturas continua. 

Hoje em dia, os povos indígenas resistem para manter aquilo que está escrito na Constituição Federal de 1988. Eles lutam não só pelas suas terras, mas também pelo direito à saúde, educação, alimentação, água potável, vacinação, luz e todos os direitos fundamentais. Além de lutarem para manter aquilo que é tão fundamental para todos, as florestas e toda a vida existente nelas.

Desde a época da chegada dos portugueses ao Brasil, os povos originários sofreram diversos ataques e exploração irrestrita. Tiveram, até mesmo, muitas informações sobre o seu passado apagadas durante o processo de colonização. Por isso, o sequenciamento do DNA é uma das ferramentas para o resgate da origem.

Mesmo que uma das principais matrizes do DNA do brasileiro seja o indígena, ainda existe pouca informação sobre essa ancestralidade nos bancos de dados utilizados nos testes genéticos.

Os testes genéticos identificam marcadores genéticos espalhados pelo DNA de cada pessoa e, em seguida, comparam com os marcadores genéticos de diferentes povos. 

O meuDNA Origens é o teste de ancestralidade com o maior número de populações, em que são consideradas 88 povos ao redor do mundo. O teste traz a  possibilidade de conhecer a história do seu DNA até oito gerações anteriores, o equivalente aos bisavós dos tataravós. Ele gera resultados detalhados e oferece conteúdos exclusivos sobre a cultura e as tradições de cada região, assim como a chegada dos povos ao nosso país.

A ancestralidade indígena, porém, vai muito além do código genético de suas populações. Costumes, histórias orais e tradições culturais indígenas estão presentes na cultura brasileira. Assim como palavras, manifestações artísticas, comidas e hábitos, como o banho diário e uso de redes, são influências indígenas. 

O DNA, a recuperação da própria história e o acesso à memória são um direito fundamental das sociedades, em especial as mais afetadas e vulneráveis.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.