A dor de ser você

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Na semana passada, eu falei sobre o João do Pulo um atleta brasileiro que apesar de sua genialidade sofreu um acidente que destruiu seus sonhos e o fez sucumbir a tristeza, morrendo jovem e desolado. Para um espectador podemos ver essa situação apenas como uma infeliz coincidência, mas para os olhos da psicossomática, podemos ver de forma mais profunda e com isto tanto o terapeuta quanto o cliente que virá até você poderá ter a consciência de que não basta apenas tratar a sequela, mas observar a origem da dor no seu corpo externo. Mas vamos pelo princípio, o que é a psicossomática? Ela compreende o adoecimento como algo que não vem de fora e se superpõe ao homem. É um modo peculiar da pessoa de expressar em circunstâncias adversas.

Todos os dias nos confrontamos com situações que podem gerar alegrias bem como dor, sofrimento, abandono, desamparo e angústia e, diante disso, cada um de nós, vai manifestar resposta individual e quase única diante das adversidades que a vida apresenta e que podem gerar o adoecer.

Essa manifestações de dor é que chamamos de dores psicossomáticas, elas são reais e se manifestam no corpo físico, mas que nada têm a ver com o plano físico porque essa dor psicossomática não está no plano físico está em um plano emocional. Para enterdermos o campo da psicossomática, temos que falar em  três grandes áreas: 1) acepção (significação) mais restritiva: quando o distúrbio é acompanhado por alterações anatomoclínicas ou biológica objetiváveis (ex.: asma brônquica); 2) acepção num sentido menos restrito: engloba as manifestações puramente funcionais, sem lesão orgânica subjacente, resultante de distúrbios de certas funções vitais (ex.: certas constipações crônicas ou de certas hipertensões arteriais lábeis); 3) num sentido mais amplo: abrange a expressão somática das emoções (como a angústia) ou as manifestações somáticas dos distúrbios de humor.

O papel da fisioterapia é observar o ser humano como uma unidade complexa onde seus aspectos físicos e mentais fazem parte do indivíduo em um estado de interação simbiótica. Essa interação não é inédita, mas já era descrita por Aristóteles: “psique (alma) e corpo reagem um com outro, uma mudança no estado da psique produz uma mudança no corpo e vice-versa”. Dessa forma, é valido afirmar que todas as doenças têm seus aspectos psicológicos; e que todos nós pacientes e fisioterapeutas, precisamos levar em consideração, hoje a fisioterapia não pode focar só na doença, mas em todo o processo do adoecer. A patologia precisa passar então a ser interpretada como algo que não está “funcionando bem’’ tanto em suas características físicas como mentais. Adoecer também é a expressão de um estado psíquico atípico como se o sujeito expressa-se através do soma (corpo) seus males psíquicos.  Não se pode mais ignorar as alterações emocionais presentes, antes e durante o curso da patologia, estas alterações emocionais podem ser dos mais diversos cunhos, desde um sentimento de insegurança, retraimento social, que gera a dificuldade para expressar seus sentimentos, a uma sensibilidade afetiva muito aumentada ou a inabilidade de lidar com perdas e frustrações.

Então temos que interpretar a manifestação somática como uma maneirado do corpo de tentar manter o prazer, resgatar algo que se perdeu ou que tem medo de perder ou ainda na tentativa de manutenção de algo em alguém que se quer para o futuro.

Por exemplo, a angústia e ansiedade designam um sentimento penoso de espera ou um medo sem objeto; constituem um estado afetivo doloroso, desencadeado por um perigo imaginário, ou sinalizando-o, em geral esta manifestação é inconsciente, mas que apresenta uma modificação de uma ou várias funções vegetativas, segundo a predominância da excitação do sistema nervoso simpático ou do parassimpático.

A dor então é tão insuportável que tomamos decisões inconscientes de até produzir incapacidades ou invalidez.

João do Pulo pode ter passado por um estresse tão profundo em que as suas crenças limitantes estavam sendo contestada, que a única alternativa inconsciente do cérebro foi pará-lo…de fato nós jamais saberemos, mas que temos perceber é o papel primordial da reabilitação com esse novo conhecimento, não estou diminuindo ou revogando9 todas as nossas técnicas, mas falando que é necessário complementar o conhecimento do exercício com a consciência do que há por trás da dor física que vem todos os dias para as nossas clinicas e consultórios.


Sobre Noory Lisias

Noory Lisias é fisioterapeuta, formada na Universidade Católica de Petrópolis, Mestra em Psicologia, especialista em Análises de Sistemas Corporais e com pós-graduação em Neuroanatomia Funcional no Método Bobath de Estimulação Neurológica e no Método Kabat, atuando há mais de 25 anos tratando lesões neurológicas e psicossomáticas.

Além de diversas outras especializações como:

  • Barras de Access | Facelift e Corporal
  • Low Pressure Fitness | LPF
  • Método Maitland
  • Pilates
  • Reeducação Postural Global | RPG
  • Aparelho Genital Feminino
  • Programação Neurolinguística | PNL
  • Proprioceptive Neuromuscular Facilitation | PNF (Facilitação Neuromuscular Proprioceptiva)

YouTube: NooryLisias
Facebook: noorylisiasfisio
Instagram: @noorylisias
Site: noorylisias.com.br
https://linktr.ee/noorylisias

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Existe como tratar essa dor?

Nos artigos anteriores falamos de dor e emoção e que se manifestam através do corpo em sintomas que são alertas sobre o que se passa

Comentários estão fechados.